Sábado, Junho 8, 2024
17.9 C
Braga
PaísSpread crédito habitação: O que deve saber?

Spread crédito habitação: O que deve saber?

Neste artigo, vamos explicar em que consiste este indicador e a sua importância no processo de crédito habitação.

© Unsplash

O processo de crédito habitação é constituído por várias etapas. Uma dessas etapas consiste em recorrer a um simulador de crédito habitação para calcular quanto é que o empréstimo vai custar. Ao fazer as simulações deparamo-nos com vários indicadores importantes. Sendo um deles o Spread.

Neste artigo, vamos explicar em que consiste este indicador e a sua importância no processo de crédito habitação.

Em que consiste o Spread no crédito habitação?

O spread é a margem, ou seja, a percentagem adicionada pelo banco à taxa de juro base do empréstimo. De forma simples o Spread é a margem de lucro cobrada pelo banco como contrapartida para a atribuição do crédito habitação.

Este valor é influenciado por vários fatores, sendo o mais importante o nível de risco associado à operação.

Por exemplo: Se o cliente tem um emprego estável, com uma boa remuneração e sempre foi cumpridor com as suas obrigações de crédito, então, é provável que tenha um spread mais baixo. Já se for o contrário, é provável que o spread a ser atribuído seja mais elevado.

Que fatores contribuem para a variação do spread?

No crédito habitação a minimização do risco é um aspeto fundamental que os bancos procuram ter em conta. Mas o que pode minimizar o risco?

Na concessão de crédito habitação é analisado o estado do mercado bem como as garantias oferecidas pelo cliente. Assim, é analisado não só o imóvel que serve de garantia ao empréstimo, mas também o maior ou menor risco do cliente cumprir com o pagamento do crédito habitação. Para isso, são tidos em conta elementos como:

  • A idade;
  • O vínculo laboral;
  • A constituição do agregado familiar;
  • Os rendimentos;
  • As poupanças;
  • Outros fatores de risco como o endividamento, o cumprimento com créditos anteriores, etc

Todos estes elementos têm um papel importante na análise de risco. Além disso, também são importantes nesta análise o montante de empréstimo, as garantias financeiras e o valor de entrada que o cliente pode aportar.

Ao fazer esta análise, o banco tem uma maior compreensão dos riscos inerentes à operação, tendo a capacidade de identificar eventuais sinais de alerta.

É com base nesta análise e como forma de se proteger do risco, que a instituição financeira define o spread. Quanto maior é o risco que corre o banco, mais elevado tende a ser o spread que é aplicado.

A proposta com o Spread mais baixo é a melhor?

Antes de mais, é importante esclarecer que o Spread é apenas um dos custos do crédito habitação. No entanto, a maioria das pessoas tende a olhar para o spread como sendo o melhor indicador para selecionar a proposta mais vantajosa de crédito habitação, o que nem sempre é verdade.

A grande maioria dos bancos tende a promover a aquisição de outros produtos financeiros (conta à ordem, cartões de crédito, seguros, etc…) como contrapartida para reduzir o spread no crédito habitação. Todavia, é importante esclarecer que estes produtos têm custos associados, o que pode, no final das contas, aumentar o custo total do empréstimo.

É por isso que existem algumas instituições financeiras como a UCI (uma instituição financeira especializada em crédito habitação), que não fazem depender as condições financeiras do empréstimo da contratação de produtos associados, o que pode bem ser uma boa opção na altura de fazer as contas e comparar propostas.

Para saber se está a escolher a melhor opção, olhe para a TAEG e o MTIC. Estes são dois indicadores que lhe permitem saber se realmente a opção com que pretende avançar é a melhor.

A TAEG (Taxa Anual Efetiva Global) tem em conta as comissões bancárias pagas, os juros, as despesas e os custos dos seguros associados.

Já o MTIC (Montante Total Imputado ao Consumidor) junta ao valor do empréstimo, juros, comissões bancárias, impostos e outros encargos que serão pagos ao longo do empréstimo.

Para conhecer estes indicadores basta consultar a FINE (Ficha de Informação Normalizada Europeia) que se obtém com uma simulação, procurar estes dados e comparar.

Se vai comprar casa comece por utilizar um simulador de crédito habitação ou dirija-se a um especialista como a UCI, uma instituição financeira que há mais de 20 anos em Portugal ajuda os clientes a entenderem melhor o seu crédito habitação. Para dar o primeiro passo basta iniciar o seu pedido de empréstimo habitação aqui.

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

NEWSLETTER

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES