Terça-feira, Maio 21, 2024
12.8 C
Braga
OpiniãoQual a relação entre a Esclerose Múltipla e o exercício físico?

Qual a relação entre a Esclerose Múltipla e o exercício físico?

© Maria João Azevedo

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica crónica, de evolução progressiva e incapacitante, que afeta o sistema nervoso central. Nesta patologia, a mielina é destruída, impedindo que haja uma comunicação adequada entre o cérebro e o corpo. Esta é uma doença que afeta cerca de 2,5 milhões de pessoas no mundo e cerca de 60 em cada 100.000 habitantes, em Portugal.

Apesar de ainda não existir uma cura, existem tratamentos que procuram controlar a doença e aliviar os sintomas. Durante muito tempo era considerado que as pessoas que sofriam desta condição não deviam praticar exercício, no entanto, atualmente, é preconizado o oposto.

A atividade física é fundamental para pessoas com EM, já que contribui para a melhoria das capacidades físicas e mentais, podendo aumentar a sua mobilidade, força, equilíbrio e bem-estar psicológico, proporcionando uma melhor qualidade de vida.

Uma vez que a EM é uma doença imprevisível e com uma grande variabilidade de sintomas, não existe um padrão de exercícios recomendados que seja adequado a todo o tipo de doentes. Cada caso é único, pelo que é necessária uma avaliação individual do doente por parte do médico responsável.

Porém, existem algumas tipologias de exercícios que se recomendam, como a caminhada, ciclismo, ioga, Tai Chi e natação, e algumas regras que devem ser seguidas: ter o devido acompanhamento médico no estabelecimento do plano de exercícios; selecionar uma atividade física que lhe dê gosto realizar; evitar realizar exercícios ao ar livre sob altas temperaturas; planear os exercícios para as alturas do dia em que sente menos fadiga; evitar sentir-se exausto e hidratar-se bem antes, durante e após a atividade física.

O grande intuito da realização de exercício físico regular por parte das pessoas com EM é a promoção do bem-estar e a melhoria da sua qualidade de vida, pelo que quando é feito com o devido acompanhamento e orientação, traz inúmeros benefícios.

Artigo de Opinião de Maria João Azevedo, médica Fisiatra e Diretora de Serviço de Medicina Física e de Reabilitação no Hospital Senhora da Oliveira, em Guimarães.

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

NEWSLETTER

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES