Terça-feira, Outubro 4, 2022
10.6 C
Braga
InícioRegiãoMontalegre: Paragens de autocarro de Cabril transformadas em arte com tradições da...

Montalegre: Paragens de autocarro de Cabril transformadas em arte com tradições da região

© Caminho Cultural de Cabril – Montalegre

A Freguesia de Cabril, em Montalegre, tem 15 aldeias distribuídas pelas encostas da Serra do Gerês, onde as paragens de autocarro foram transformadas em arte com ilustrações das tradições da terra.

O projeto foi aprovado e levado a cabo por Márcio Azevedo, presidente da Junta de Cabril, para “dar mais vida à paisagem natural que rodeia as aldeias”.

© Caminho Cultural de Cabril – Montalegre

“Com a curadoria de Susana Antão, oito artistas tiveram a seu cargo interpretar visualmente as tradições e ofícios de Cabril. A vezeira das cabras e vacas, o ciclo de azeite, do centeio, o ciclo do linho, a colheita do milho, a cozinha tradicional e o mel através da silha dos ursos. Cabril tem a sua identidade muito marcada e a identidade de cada aldeia é a sua tradição e não há nada mais belo do que relembrar essas tradições e eternizar as gentes do nosso passado para memórias futuras”, contou o presidente.

© Caminho Cultural de Cabril – Montalegre

Márcio Azevedo disse que encontrou no mobiliário urbano – oito paragens de autocarro e um reservatório de água – o “suporte ideal a ser intervencionado”. Conhecedor da região, pensou as intervenções visuais para que, numa linguagem figurativa, representassem temáticas ligadas à história, às tradições laborais e à cultura popular. O projeto tem a curadoria de Susana Antão, ilustradora e designer, que convidou oito  artistas, ilustradores e designers a desenvolver as suas propostas. As pinturas murais foram realizadas entre 17 e 23 dejulho de 2021, em contexto de residência artística.

© Caminho Cultural de Cabril – Montalegre

Situada no concelho de Montalegre e inserida no Parque Nacional do Gerês, Cabril é constituída por quinze aldeias que se distribuem ao longo das encostas da cordilheira do Gerês. As pinturas murais foram realizadas no mobiliário urbano de Chelo, São Lourenço, Fafião, Vila de Cabril, Pincães, Lapela, Xertelo e Azevedo.

Os artistas e ilustradores que participaram na iniciativa foram Luísa Crisóstomo, Bruno Santos, Pedro Lourenço, Susana Antão, Miguel Brum, Carolina Correia, Carolina Maria e Maria Taborda. De acordo com Márcio Azevedo, “cada um teve a seu cargo a criação de um projecto, pensado especificamente para preencher uma paragem de autocarro. O desafio era interpretar visualmente os tradicionais ofícios e atividades da região, tais como a agricultura, o pastoreio, a tecelagem, a gastronomia ou a produção de azeite”. 

© Caminho Cultural de Cabril – Montalegre

A Vezeira é uma das tradições ancestrais da região. Consiste na reunião dos rebanhos duma aldeia para serem pastorados em terrenos comuns. A comunidade transmite a tradição de geração em geração e os membros das famílias envolvidas conduzem o rebanho à vez. A vezeira das vacas e a vezeira das cabras têm regras e períodos de realização específicos e constituem-se como um dos mais marcantes exemplos de trabalho comunitário. Nesse sentido, três das paragens de autocarro tiveram como tema a vezeira. Luisa Crisóstomo, em Chelo, interpretou de forma gráfica a subida da vezeira, destacando o chamamento que lhe dá início e o ambiente e paisagem do percurso seguido com os bovinos. Pedro Lourenço, com um desenho de caráter gráfico, representou a vezeira das vacas na paragem de Fafião, dando proeminência ao gesto do pastor com as mãos sobre o cajado e ao pastoreio das vacas nas escarpas da serra. A vezeira das cabras, representada na paragem da vila de Cabril, coube a Susana Antão, que ilustrou de forma poética o pastor com os seus cães, o pastoreio da cabras e uma cabra que observará em permanência quem por ela passará.

© Caminho Cultural de Cabril – Montalegre

A utilização de animais no auxílio das diferentes atividades tradicionais ligadas à agricultura e à alimentação da comunidade foi também um tema destacado. A produção tradicional de azeite foi representada em São Lourenço por Bruno Santos, ‘Mantraste’, que reproduziu a dinâmica sequencial das tarefas inerentes à atividade, como a apanha da azeitona, a rotação do lagar de tração animal, realizada usualmente com um burro, o despejo do azeite nas vasilhas e a sua utilização doméstica, criando esse ritmo na pintura mural através da utilização de símbolos gráficos e da palavra “As voltas e voltas que o azeite dá”. Carolina Correia teve a seu cargo a representação das atividades inerentes à recolha do milho na paragem de Lapela. A junta de vacas com carro e carga de milho, o corte e o carrego do mesmo são ali desenhados a par do destaque à planta. Miguel Brum fez da paragem de Pincães uma silha dos ursos, antigas construções em pedra, geralmente circulares, onde tradicionalmente se protegiam dos ursos os cortiços das abelhas. Embora atualmente em desuso e em ruínas, é ainda possível observar algumas destas construções. Na vila de Cabril, o reservatório de água foi pintado coletivamente, povoado pelos gestos e ferramentas que identificam a sementeira, a cegada e a malhada, tarefas agrícolas que pelas suas características e dureza são realizadas em comunidade pelos habitantes das várias aldeias.

© Caminho Cultural de Cabril – Montalegre

A tecelagem e a cozinha, atividades tradicionalmente realizadas por mulheres, foram os temas empregues nas paragens do Xertelo e de Lapela, respetivamente. O tear, utilizado sobretudo pelas anciãs viúvas das aldeias de Cabril foi o motivo ilustrado por Carolina Maria. Já a cozinha tradicional, com os respetivos utensílios e lareira de chão, povoada essencialmente por mulheres, foi representada por Maria Taborda através de uma linguagem expressionista e gestual.

Todos os projetos de pintura mural foram concebidos antecipadamente, embora em contexto de residência artística não seja usual assim acontecer. Ainda assim, a residência não foi utilizada exclusivamente para a execução das pinturas. O encontro com os habitantes tornou-se regular, proporcionando conversas, partilhas, convívio e uma experienciação mais completa do lugar, com a paisagem e suas características mas também com as vivências da comunidade. Uma experiência que conduziu a algumas alterações nos projetos iniciais mas que conduziu, sobretudo, a uma aprendizagem dos modos de vida e de sentir de Cabril, uma freguesia com pouco mais de quinhentos habitantes.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS