Quinta-feira, Abril 15, 2021
18.9 C
Braga
InícioReportagemBraga: Falta de intervenção em caminho público obriga moradores a saírem de...

Braga: Falta de intervenção em caminho público obriga moradores a saírem de casa de galochas

DR

Uma família residente no Caminho da Vinha, na freguesia de Cunha, em Braga, tem sido afetada ao longo de vários anos pelas enchentes provocadas pelas chuvas.

O casal, com duas filhas menores, tem apelado à Autarquia local por uma intervenção urgente no caminho público, uma vez que, além de sofrerem com as várias inundações, têm sofrido prejuízos.

Em dias de escola, o casal tem de levar uma das filhas de galochas até à estrada principal, uma vez que o estado degradado e inundado do caminho público impede a carrinha da escola de buscar a menor à porta de casa. “Não tem lógica a minha filha mais nova ir com galochas até à estrada principal para apanhar a carrinha da escola. Acompanho-a com um par de sapatos para trocá-los antes da carrinha chegar. Não se justifica, estamos no século XXI”, lamentou Karine da Silva.

DR

A moradora afirmou que o casal já chegou a danificar viaturas e que o carteiro e o padeiro recusam-se a efetuarem as respetivas encomendas à porta.

De acordo com o casal, a situação foi reportada à Junta de Freguesia de Arentim e Cunha há sete anos e estão “cansados” dos vários apelos, uma vez que a falta de intervenção no caminho está a impossibilitar a transformação desta moradia num alojamento local. “Há sete anos que reportámos esta situação à Junta de Freguesia e até hoje nada foi feito. Quando começa a chover, o caminho transforma-se num autêntico rio. Queremos transformar esta habitação num alojamento local e fazer outros investimentos na freguesia, mas não estamos a ter nenhum apoio. Temos esta habitação com todas as condições para atrair Turismo, mas o caminho dificulta o acesso às viaturas de quem pretende usufruir da tranquilidade que esta freguesia oferece”, sublinhou a habitante.

Além das enchentes, Karine da Silva alertou que há quedas de pedras para o caminho público, pondo em causa a segurança dos caminhantes.

Por sua vez, José Afonso, presidente da União de Freguesias de Arentim e Cunha, explicou que a Autarquia local pediu uma vistoria por parte da Câmara Municipal, mas que os técnicos do Município afirmaram que “pouco se pode fazer devido às águas percorrerem terrenos particulares”.

“Este é um assunto que temos em mãos e que temos consciência do transtorno que tem dado aos moradores. Em 2018, solicitámos uma vistoria ao Caminho da Vinha e enviámos fotos da água existente no local. Depois de várias visitas, os técnicos da Câmara Municipal disseram que não havia muito a fazer devido às águas que vinham de terrenos particulares que caíam no caminho. Não concordámos com a situação apresentada e solicitámos que as águas deveriam ser canalizadas”, disse José Afonso.

O autarca referiu que em 2019 voltaram a enviar uma reclamação ao Município para uma intervenção urgente, mas como não obtiveram resposta, pediram em outubro de 2020 o fornecimento de tubos de águas pluviais.

“Como nada estava a ser feito pela Câmara Municipal, solicitámos o fornecimento de tubos de águas pluviais por parte da Autarquia para que nós, enquanto Executivo, colocássemos esses tubos, fazendo a recolha das águas, mas até hoje, nada nos foi entregue. Estamos agora a finalizar um levantamento de um processo para resolver esta situação. Já solicitámos uns orçamentos e pedimos aos proprietários do terreno abandonado, junto desse caminho, a cedência de uma parcela de terreno para fazer um muro de suporte das terras. Como é sabido, isto demora sempre muito tempo, pois o terreno é de vários herdeiros e dá sempre muita confusão”, finalizou José Afonso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS