Quarta-feira, Agosto 10, 2022
26 C
Braga
InícioAtualidadeUniversidade do Minho celebra os 650 anos da aliança luso-britânica

Universidade do Minho celebra os 650 anos da aliança luso-britânica

Universidade do Minho

A Universidade do Minho recebe de 6 a 9 julho a Conferência Interdisciplinar dos 650 Anos da Aliança Luso-Britânica, com 50 personalidades e académicos a discursarem sobre o passado, o presente e futuro desta que é a mais antiga aliança diplomática do mundo. O evento conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República e é promovido pela Escola de Direito da UMinho (EDUM) e pelo seu Centro de Investigação em Justiça e Governação (JusGov).

O programa tem ainda a parceria da iniciativa Portugal UK-650, que nos últimos meses realizou 70 atividades comemorativas e anuncia até 15 de julho diversos eventos em Braga e Vizela, a par de concertos em Lisboa, Sintra, Coimbra e Porto. A evocação dos tratados luso-britânicos de Tagilde (1372) e Londres (1373) prossegue até 2023, envolvendo mais de 100 instituições de ciência, educação, cultura, comércio, cooperação, sociais e políticas de ambos os países.

Já a conferência em si inicia-se esta quarta-feira, às 16:00, no salão medieval da Reitoria da UMinho, no centro de Braga. Vão intervir o reitor Rui Vieira de Castro, os presidentes dos municípios de Braga e Vizela, respetivamente Ricardo Rio e Victor Hugo Salgado, a presidente da EDUM, Cristina Dias, a diretora do JusGov, Maria Miguel Carvalho, e a presidente do Portugal-UK 650, Maria João Rodrigues de Araújo. Prevê-se ainda uma palestra de Thomas Earle, professor emérito da Universidade de Oxford (Reino Unido), e uma atuação da Orquestra da UMinho. A música regressa ali na quinta-feira, às 19:00, com o conhecido Coro do Queen’s College de Oxford, também com entrada livre.

A conferência centra-se nos dias 7 a 9 no auditório nobre da EDUM, no campus de Gualtar, em Braga. O programa inclui oradores de dez universidades nacionais (Autónoma, Católica, Coimbra, Évora, Lisboa, Lusófona do Porto, Minho, Nova de Lisboa, Portucalense e Porto), além das universidades de Oxford, Warwick, Cardiff, Nottingham Trent (Reino Unido), Alabama (EUA) e San Pablo CEU (Espanha). Juntam-se ainda Jorge de Abreu, presidente da Câmara de Comércio Luso-Britânica, Mário Godinho Matos, antigo embaixador em Havana, Maputo e Moscovo, Eurico Gomes Dias, o mais jovem da Academia Portuguesa da História, ou Sean Cunningham, diretor de Registos Medievais nos Arquivos Nacionais britânicos.

Sessão de encerramento no sábado

A sessão de encerramento é no sábado, às 11:30, com os discursos do embaixador do Reino Unido, Cristopher Sainty, do reitor da UMinho, Rui Vieira de Castro, do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, almirante António Silva Ribeiro, e da representante da organização do evento e do JusGov, Alexandra Rodrigues de Araújo. O momento conta com a atuação da Banda do Exército e uma palestra do tenente-coronel Carlos Filipe Afonso. “Esperamos que as iniciativas do Portugal-UK 650, incluindo esta conferência e o ciclo de palestras que a sucedeu, possam contribuir a prazo para uma sociedade mais segura, fraterna, conhecedora do seu património histórico-cultural e promotora da solidariedade internacional”, refere Maria João Rodrigues de Araújo.

A 10 de julho de 1372 foi assinado um tratado em Tagilde (Vizela) pelo rei D. Fernando de Portugal e pelos delegados de João de Gante, duque de Lencastre e filho do rei Eduardo III de Inglaterra, que conduziu a que em 16 de junho de 1373 fosse assinado o Tratado de Paz, Amizade e Aliança, na Catedral de São Paulo, em Londres, por Eduardo III e D. Fernando, ladeado por D. Leonor, e que seria reforçado pelo Tratado de Windsor a 9 de maio de 1386. Esta aliança superou desafiantes contingências históricas, como duas Guerras Mundiais, a ascensão e queda de impérios, revoluções e descolonização, multilateralização das relações internacionais, integração europeia e o fim da Guerra Fria.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS