Obras de reabilitação implicam fecho de dois parques de estacionamento em Famalicão
Quarta-feira , Dezembro 2 2020 Periodicidade Diária nº 2653
Principal / Região / Vila Nova de Famalicão / Obras de reabilitação implicam fecho de dois parques de estacionamento em Famalicão

Obras de reabilitação implicam fecho de dois parques de estacionamento em Famalicão

O arranque das obras de requalificação do Centro Urbano de Famalicão obrigou ao fecho de dois parques de estacionamento: o parque pago D. Maria II e o parque livre Mouzinho de Albuquerque (antigo campo da feira).

Face ao encerramento dos parques, a Câmara Municipal veio lembrar as alternativas existentes em Famalicão ao nível do estacionamento público.

Parques Grátis

  • Parque do Campo da Feira – 800 lugares (exceto à quarta-feira)
  • Parque da Devesa junto à Central de Camionagem – 347 lugares
  • Parque da Casa das Artes – 108 lugares
  • Parque Estádio Municipal (Rua S. Julião) – 50 lugares
  • Parque da Estação – 70 lugares (gratuito para detentores de titulo de transporte público)

“Para além destes, os famalicenses podem estacionar nos parques de estacionamento do Jumbo e do E-Leclerc, que disponibilizam largas centenas de estacionamento público nas entradas Norte e Este da cidade”, realçou o Município de Famalicão.

Parque Pagos   

  • Parque Cónego Joaquim Fernandes (Paços do Concelho) – 239 lugares
  • Parque Sagres (Parque da Juventude) – 150

“A intervenção em curso vai durar cerca de um ano, abrangendo o quarteirão urbano localizado entre as praças D. Maria II e Mouzinho de Albuquerque e ruas adjacentes, dotando-as de mais e melhores zonas sociais e simultaneamente mais espaços para peões e para os modos de transporte suaves”, acrescenta a Autarquia.

De acordo com a Câmara Municipal, “os efeitos esperados são a melhoria da qualidade de vida das populações residentes, uma maior atratividade da cidade, reforço da rede pedonal e ciclável complementada com o uso de transportes públicos, melhoria ambiental e qualificação dos espaços de utilização pública”.

A obra tem comparticipação do Norte 2020, através do programa FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.