Dstgroup vai pagar salários de todos os membros da Companhia de Teatro de Braga
Quinta-feira , Outubro 22 2020 Periodicidade Diária nº 2612
Principal / Notícias / Dstgroup vai pagar salários de todos os membros da Companhia de Teatro de Braga

Dstgroup vai pagar salários de todos os membros da Companhia de Teatro de Braga

O dstgroup vai assumir o pagamento dos salários dos 14 membros da Companhia de Teatro de Braga nos próximos três meses, fora do subsídio plurianual e apoio que lhes atribui há quase 40 anos.

“Tornamos público este comunicado na esperança que outros encontrem uma entidade de produção de cultura para apoiar neste momento, para todos desesperado, mas muito mais desesperado para os que vão perder o que não têm. Pela nossa salvação coletiva: apoiem a cultura”, diz José Teixeira, presidente do Conselho de Administração do dstgroup.

“Independentemente dos recursos colocados à nossa indústria pelo Governo da República e pela banca estamos em condições de garantir os salários dos nossos trabalhadores, os compromissos com fornecedores e parceiros sem exaurir o Estado. Somos quase 1800 trabalhadores, admitimos 66 trabalhadores e no presente mês de março, até hoje, 49 novos trabalhadores. Hoje aprovamos a admissão de mais três trabalhadores. Não, não despedimos ninguém, nem os que estão à experiência serão dispensados a não ser por razões de desfasamento com a nossa psique e de mau desempenho. Até hoje isso ainda não aconteceu a nenhum”, acrescenta.

José Teixeira explica que pretende “chegar ao final desta batalha com todos os soldados de pé”. “Se neste tsunami perderemos dinheiro? Sim perderemos uma parte, mas ficaremos com a restante parte e outra, a principal, aumentada: a confiança dos nossos trabalhadores, dos nossos fornecedores e dos nossos parceiros e isso é valor que não tem preço e nos permitirá surfar as ondas do futuro. Com isto resolvido precisávamos de dar mais um sinal à Economia. Nada resistirá, com todos os esforços levados ao seu limite, com todos os recursos utilizados, sem cultura e sem os profissionais da cultura, sem aqueles que, com a sua produção artística, nos permitem ser mais competitivos”, conclui.