Quarta-feira, Junho 19, 2024
17.3 C
Braga
BragaBraga promove programa de férias inclusivo a mais de 200 crianças do...

Braga promove programa de férias inclusivo a mais de 200 crianças do concelho

© CM Braga

O Município de Braga volta a dar continuidade ao plano de férias inclusivo, desta vez para o período de férias de verão. Nesta pausa letiva, o projeto tem a duração de três meses com atividades ecléticas e que abrangem diversas áreas como teatro, artes plásticas, música, expressão dramática e corporal, pintura em tela, culinária, atividades na esfera do ambiente, desporto, idas à piscina e parques verdes, visitas a espaços culturais, entre outras. As atividades tiveram início no dia 19 de junho e terminam no dia 8 de setembro, com a participação de 204 crianças e jovens.

O programa decorre em dois estabelecimentos de ensino do concelho de Braga, sendo que entre jJunho e julho as atividades passam pela EB2/3 André Soares e, entre agosto e setembro, na Escola Secundária de Maximinos.

Numa visita realizada hoje às atividades, a vereadora da Educação destacou a vertente social deste “exigente e ambicioso” projeto. “Esta é uma resposta importante na esfera do combate à exclusão social. O facto de ser um programa aberto a todos e que reúne faixas etárias diferentes, permite que a convivência entre crianças e jovens típicos e atípicos potencie a quebra desta barreira que é a ‘exclusão social’”, explicou Carla Sepúlveda, explicando que o objetivo é “garantir que todos têm acesso a um programa de férias abrangente, enriquecedor e que promove a integração”.

A vereadora destacou a equipa de 260 profissionais que acompanham as crianças ao longo de 12 semanas de atividades. “Temos uma equipa sensível e dotada de conhecimento técnico, pedagógico e didático, mas este projeto só é viável graças ao imprescindível apoio dos diretores de Agrupamento e Assistentes Operacionais dos vários Estabelecimentos de Ensino. Só a partir de um trabalho em conjunto é que conseguimos garantir recursos que possibilitem o bem-estar de todos os participantes.”, referiu, acrescentando que este projeto “deve ser assumido como uma responsabilidade social de todos de toda a comunidade”.

Carla Sepúlveda lembrou que este programa decorre também no mês de agosto, uma vez que, por ser o mês eleito pela maioria da população para férias, “há uma oferta muito reduzida de atividades no território”. Contudo, continuou a responsável, “existem várias famílias que mantém a sua atividade laboral durante este mês e precisam de uma resposta para os seus educandos”. Nesse sentido, o ‘incluIR’ torna-se “pioneiro no número de horas em atividades. No total são 500 horas de atividades diversificadas e transversais às várias faixas etárias”, concluiu Carla Sepúlveda.

Com um plano de atividades inclusivas, o “incluIR” pretende proporcionar às crianças e jovens momentos, não só a nível de atividades e entretenimento, mas também a nível de socialização. As atividades foram pensadas e preparadas para que os grupos interajam, permitindo, assim, uma maior interligação relacional entre os participantes e os técnicos responsáveis pelas diversas oficinas.

O “incluIR” destina-se a crianças com idades entre os 6 e os 15 anos – no caso das crianças e jovens com necessidades específicas até à idade máxima de frequência da escola (18 anos +). Esta resposta realiza-se numa escola do concelho que reúna condições para acolher os participantes, incluindo um Centro de Apoio à Aprendizagem (CAA).

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

NEWSLETTER

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES