UMinho está entre as universidades mais sustentáveis do mundo
Sexta-feira , Agosto 14 2020 Periodicidade Diária nº 2543
Principal / Educação / UMinho está entre as universidades mais sustentáveis do mundo

UMinho está entre as universidades mais sustentáveis do mundo

A Universidade do Minho é a melhor instituição portuguesa e a 55ª no mundo no “UI GreenMetric World University Rankings 2019“, que avalia a sustentabilidade ambiental de 780 universidades de 85 países e que acaba de ser lançado. A UMinho é líder nacional desde 2017, quando se estreou na lista, e sobressai este ano nos indicadores de energia e alterações climáticas, resíduos, educação e investigação. O pódio inclui as universidades de Wageningen (Holanda), Oxford (Reino Unido) e Califórnia Davis (EUA). Há quatro academias britânicas no top 10.

Os resultados demonstram que a sustentabilidade ambiental é uma marca identitária da UMinho, faz parte de um compomisso estratégio de liderança nesta área e pretende-se construir uma comunidade mais saudável, vibrante e participativa, com vista a um futuro melhor. Revelam também o esforço da instituição em prol do desenvolvimento sustentável através do ensino, investigação e transferência de conhecimento, bem como nas suas práticas internas, políticas e procedimentos. O reitor Rui Vieira de Castro refere que as instituições de ensino superior têm “uma responsabilidade adicional” na sustentabilidade, considerada a única solução para os desafios globais segundo entidades como as Nações Unidas, o Fórum Económico Mundial e o Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável.

A UMinho também surge este ano como a melhor instituição de Portugal, a terceira ibérica e a 83ª no mundo a cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, segundo a primeira edição do “THE Impact Rankings“. A publicação da Times Higher Education destacou esta academia nos indicadores de parcerias, educação de qualidade, cidades e comunidades sustentáveis, saúde de qualidade e indústria, inovação e infraestruturas.

A UMinho foi a primeira universidade europeia a alinhar nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a primeira do país a iniciar o relato público dos indicadores de sustentabilidade (em 2010), bem como a ser incluída na rede International Sustainable Campus Network, tendo ainda aderido à iniciativa United Nations Global Compact. Esta academia é um elemento catalisador da sua região, gerando impacto económico positivo anual acima de 200 milhões de euros, a que estão associados mais de 5000 postos de trabalho.

A estratégia é reforçada pelo plano de desenvolvimento integrado dos campi, pelo financiamento para projetos de I&D sobre sustentabilidade, pelo volume de publicações científicas, eventos e unidades curriculares sobre o tema, bem como pela valorização dos resíduos produzidos, pelo uso de mobiliário exterior inovador, pela redução de gastos de energia e, entre outros aspetos, pela parceria na candidatura de Guimarães a Capital Verde Europeia, envolvendo-se no território, aplicando investigação e integrando os vários saberes.