Quinta-feira, Junho 20, 2024
15.1 C
Braga
EducaçãoUMinho assinala Semana de Consciencialização para a Miopia

UMinho assinala Semana de Consciencialização para a Miopia

© UMinho

A Escola de Ciências da UMinho (ECUM), em parceria com a Rede Casas do Conhecimento, está a assinalar a Semana de Consciencialização para a Miopia, com atividades para o público em geral.

Esta terça-feira, às 17:00, na Biblioteca Geral do campus de Gualtar, em Braga, realiza-se a sessão “Causas, tratamentos e consequências da miopia em crianças e adultos”. Prevê-se as intervenções de José Manuel González-Méijome, professor catedrático e presidente da ECUM e coordenador do Laboratório de Investigação em Optometria Clínica e Experimental (CEORLab) no Centro de Física das universidades do Minho e Porto, bem como de investigadores do CEORLab e da direção da Associação de Profissionais Licenciados de Optometria. A iniciativa pode ser acompanhada online, via YouTube ou Zoom (ID 916 7944 3007).

O programa inclui ainda ações de esclarecimento para a comunidade a 24 de maio, das 14:30 às 17:30, na entrada do edifício 12 do campus de Azurém, em Guimarães, e a 25 de maio, das 14:30 às 17:30, na entrada do Departamento de Física (edifício 6) do campus de Gualtar. As iniciativas agendadas destinam-se a todos, desde miúdos e graúdos até agentes de educação, que podem assim esclarecer dúvidas e preocupações sobre a visão.

Semana de Consciencialização para a Miopia é uma iniciativa do Brien Holden Vision Institute (Austrália) e tem apoio da Agência Internacional para a Prevenção da Cegueira. A prevalência da miopia está a aumentar acentuadamente em todo o mundo. Até 2050, quase metade da população mundial será míope. Uns impressionantes 5000 milhões de pessoas que sofrem de perda de visão potencialmente evitável e de um risco aumentado de complicações que ameaçam a visão.

A investigação mais recente em que a UMinho tem participado ativamente permite conhecer melhor esta anomalia visual que impede as pessoas de ver nitidamente ao longe e compreender de que forma se pode reduzir a sua incidência nos jovens, como abrandar a sua progressão e como prevenir e detetar precocemente os seus efeitos adversos na idade adulta e senil.

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

NEWSLETTER

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES