Quarta-feira, Setembro 28, 2022
15 C
Braga
InícioBragaPAN Braga defende “obras urgentes” na EB2/3 Frei Caetano Brandão

PAN Braga defende “obras urgentes” na EB2/3 Frei Caetano Brandão

© PAN

Inês de Sousa Real, porta-voz nacional do PAN, visitou esta segunda-feira o distrito de Braga em campanha para as eleições legislativas.

No concelho de Braga, a comitiva do PAN reuniu com a Escola Secundária D.Maria ll para conhecer o trabalho e atividades de inclusão aí desenvolvidas, nomeadamente os relacionados com a deficiência. O partido recordou que “esta é uma escola de referência ao nível regional que acolhe cerca de 80 alunos com dificuldades auditivas de vários concelhos do distrito e ainda de distritos vizinhos”.

Segundo Rafael Pinto, cabeça de lista por Braga, “há muito que o PAN tem defendido a inclusão de Língua Gestual Portuguesa no ensino, para todos e todas, bem como maiores apoios à integração destas crianças nas nossas escolas. Fizemos questão de visitar esta escola para perceber quais são as maiores dificuldades bem como a melhor forma para alargar o modelo a outras zonas do país”.

O candidato alertou para o facto de “muitas crianças perderem mais de 2 horas por dia na estrada para conseguirem frequentar uma escola com capacidade para os acolher. Isto contribui para o aumentar das desigualdades e dificuldades de aprendizagem.”

Da parte da tarde, a comitiva seguiu para a EB2/3 Frei Caetano Brandão para uma visita guiada com a Direção e a Associação de Estudantes. O objetivo passou por alertar para “a necessidade de obras urgentes na escola para que os alunos deixem de passar frio no inverno e calor no verão e tenham todas as condições para aprender”. 

O PAN já questionou o governo e a autarquia sobre as intervenções necessárias em setembro, “mas até agora sem resposta”.

Na Assembleia Municipal o PAN propôs, no âmbito do orçamento municipal, a previsão de verba para as obras necessárias.

“Ficou claro que passar os alunos para a escola secundária e fechar esta não é uma solução para a direção, docentes nem alunos. Mas também que apesar da falta de condições, o projeto educativo desenvolvido é de grande qualidade”, finalizou Rafael Pinto.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS