Melhor tese doutoral em Arqueologia pertence a investigadora de Braga
Sábado , Dezembro 5 2020 Periodicidade Diária nº 2656
Principal / Atualidade / Melhor tese doutoral em Arqueologia pertence a investigadora de Braga

Melhor tese doutoral em Arqueologia pertence a investigadora de Braga

Fernanda Magalhães, investigadora da Universidade do Minho, venceu há dias o Prémio Eduardo da Cunha Serrão 2020, com uma tese doutoral sobre as casas romanas ibéricas. O galardão anual que distingue a melhor tese nacional de mestrado e de doutoramento em rqueologia foi entregue por, José Arnaud, presidente da Associação dos Arqueólogos Portugueses, em Lisboa. Fernanda Magalhães recebeu o valor monetário de 2500 euros e deve ver o seu trabalho “A domus romana no noroeste peninsular: arquitetura, construção e sociabilidades“, publicado em livro até final do ano.

A investigadora da Unidade de Arqueologia da UMinho (UAUM) e do Laboratório de Paisagens, Património e Território (Lab2PT) congratulou-se pelo prémio. “Estou muito feliz, porque é atribuído pela primeira vez a um(a) cientista da UMinho e porque trata o período romano, que não tem sido tão destacado”, disse Fernanda Magalhães, acrescentando que “esta distinção é de uma equipa de investigação e da UMinho, que tem feito muito trabalho na arqueologia desde os anos 70, nomeadamente sobre Bracara Augusta, permitindo a pouco e pouco revelar vestígios de edifícios públicos e privados, ruas, pórticos e outras infraestruturas”.

A investigação laureada analisou a arquitetura doméstica urbana romana, que tem ligações ao estudo das cidades atuais. Em particular, incidiu no tipo de habitações (domus) construídas entre os séculos I e IV, na última região peninsular a ser integrada na malha administrativa romana. O estudo focou os casos de Braga, Tongobriga, Lugo e Astorga, mas contextualizou com as realidades da Galia, Britannia, restante Hispânia e Norte de África. No caso de Braga – aliás, Bracara Augusta –, verificou-se num quarteirão que as casas de elites tanto ocupavam um lote completo como meio lote. A situação foi similar na Galiza. Portanto, a riqueza do proprietário não significava uma área grande de ocupação da sua casa. Ou seja, a eventual expansão habitacional teria que ser na vertical e não na horizontal. “Estas cidades romanas podiam apenas crescer, se necessário, para cima”, reforça. O estudo discutiu ainda funções e usos sociais dos espaços domésticos.

Fernanda Magalhães nasceu em 1980 em Ponte de Lima e vive em Braga. É licenciada em História e mestre e doutorada em Arqueologia pela UMinho, na qual é investigadora do Lab2PT e arqueóloga da UAUM. É corresponsável pelo projeto científico Teatro Romano de Bracara Augusta e pelo projeto de musealização da área arqueológica das Carvalheiras e codirige escavações em vários locais de Braga, colaborando no estudo de materiais e tratamento de informação vinda dos trabalhos arqueológicos. A especialista em arquitetura doméstica romana tem três dezenas de artigos científicos e (capítulos de) livros, tendo participado em projetos internacionais como “Le ‘forme’ dell’acqua” e “Landscapes and societies” e sido membro do Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória.