Domingo, Maio 19, 2024
18.3 C
Braga
AtualidadeGonçalo Maia Marques é o grande vencedor do Prémio de História Alberto...

Gonçalo Maia Marques é o grande vencedor do Prémio de História Alberto Sampaio

Gonçalo Maia Marques © DR

Gonçalo Maia Marques é o grande vencedor do Prémio de História Alberto Sampaio 2023. De acordo com a rotatividade prevista no Regulamento, este ano, a cerimónia de entrega do prémio será realizada no Museu de Alberto Sampaio, no dia 1 de dezembro (Alberto Sampaio nasceu no dia 1 de dezembro de 1841), às 15:30, com programa a anunciar oportunamente. O trabalho vencedor será publicado, ainda de acordo com o Regulamento, na Revista de Guimarães.

O Prémio de História Alberto Sampaio, inicialmente instituído em 1995 pelos Municípios de Guimarães e Vila Nova de Famalicão e pela Sociedade Martins Sarmento, renovado em 2016 e contando a partir de então também com o Município de Braga entre os instituidores, “destina- se a homenagear e a manter viva a pessoa e obra de Alberto Sampaio, promovendo o desenvolvimento dos estudos científicos e investigação nas áreas ligadas ao seu legado, em especial, nas disciplinas da História Social e Económica”.

O júri, constituído sob a égide da Academia das Ciências de Lisboa, a quem está confiada a direção científica do Prémio, deliberou atribuir o prémio de 2023 ao investigador Gonçalo Maia Marques que apresentou um trabalho com o título “Do vinho de Deus ao vinho dos Homens: o vinho, os mosteiros e o Entre Douro e Minho”.

No entendimento do júri, “o trabalho é sustentado numa vasta e variada investigação, tendo o Autor percorrido diversos arquivos do Norte do país (Braga, Viana), do Porto (Arquivo Distrital e Casa do Infante) de Coimbra (AUC) e de Lisboa (ANTT), e analisa o impulso da cultura da vinha por partes das casas monásticas. Com base sobretudo nos Estados da Ordem de S. Bento (de 1629 a 1822), dá-nos a conhecer práticas e técnicas de Viticultura, castas e tipos de vinhedos, estruturas vinícolas de produção e armazenamento, circuitos comerciais, consumos e gostos dos beneditinos de vinho verde e vinho maduro. Este estudo histórico assume-se também como uma contribuição valiosa para a sociedade, fundamentando o património material e imaterial que é o vinho verde na região de Entre Douro Minho”.

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

NEWSLETTER

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES