Segunda-feira, Dezembro 5, 2022
12.5 C
Braga
InícioOpiniãoAmamentar e vacinar

Amamentar e vacinar

Inês Palma dos Reis

Amamentar é a melhor forma de alimentar os bebés, com benefícios para todos. É a forma mais antiga, natural e universal de alimentação dos pequenos humanos. É recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a alimentação ideal para os bebés em todo o Mundo, em exclusivo até aos 6 meses e depois mantida com a introdução dos outros alimentos. A duração “ótima” é desconhecida, reconhecendo-se benefícios enquanto mãe e criança a queiram manter.

Os benefícios para o bebé, vão desde a nutrição e hidratação adequadas a cada fase de cada bebé, transmissão de imunidade, regulação térmica e conforto, estimulando o ideal desenvolvimento da boca, dentes e linguagem e ajudando a estabelecer a ligação com a mãe. Diminui o risco de morte-súbita. É especialmente importante em recém-nascidos e bebés prematuros. A longo prazo, diminui o risco de obesidade, diabetes e alguns tipos de cancro.

Os benefícios para a mãe começam no pós-parto imediato, diminuindo o risco de hemorragias graves, fortalecendo a ligação com o bebé, providenciando um momento de pausa nas outras atividades e ajudando na perda de peso. Diminui o risco de obesidade, diabetes, osteoporose e vários cancros (especialmente da mama), a longo prazo. Em Portugal as mães que amamentam podem solicitar ajuste e redução de horário à entidade patronal.

Toda a família beneficia com a amamentação, pelo seu menor custo e ótima segurança e conveniência. A amamentação reduz parcial e temporariamente a fertilidade materna, contribuindo para o espaçamento das gravidezes.

Os benefícios para a sociedade vão desde o menor custo com a alimentação dos bebés, e o tratamento das doenças evitadas (do bebé e da mãe), à diminuição do absentismo da mãe. Globalmente, beneficia também o ambiente, já que a amamentação é a opção mais ecológica.

Estes benefícios são ainda mais evidentes onde ou quando as alternativas escasseiam (catástrofes, saneamento inadequado, pobreza extrema). As mães infetadas com COVID devem ser apoiadas a amamentar, mesmo se sintomáticas, pois os benefícios da amamentação superam o risco de infeção dos bebés. A vacinação anti-COVID é recomendada quer a grávidas quer a mães a amamentar, apesar do pouco tempo de estudos das vacinas, esperando-se efeito protetor na mãe e eventualmente (direta ou indiretamente) também no bebé.

As desvantagens – são raras as situações em que é recomendado não amamentar – geralmente por infeções ou fármacos (da mãe) que passem para o bebé e cujo risco supere os benefícios acima listados (devendo ser avaliados caso a caso por profissional de saúde qualificado e atualizado). O médico, dentro da sua especialidade, perante uma mulher que amamenta, tem a responsabilidade acrescida de avaliar o risco-benefício das suas prescrições. A amamentação está associada à diminuição da líbido e da fertilidade, podendo interferir na vida sexual do casal. A mãe pode optar por não amamentar para partilhar ou ceder a tarefa de alimentar o bebé, por preferência pessoal; outras desistem por dificuldades no processo de amamentação (feridas, mastites), pressão laboral, da sociedade ou família.

Há alternativas – quando a mãe não pode ou não quer amamentar: a OMS recomenda o leite humano (bancos de leite) como primeira alternativa para recém-nascidos; as amas-de-leite como segunda alternativa, e depois as fórmulas de “leite adaptado”. O leite de vaca “normal” (não adaptado a bebés), leite de outros animais e as bebidas vegetais não são recomendadas nos primeiros 12 meses de vida.

As Mães precisam de ser bem informadas e depois apoiadas nas suas decisões. Amamentar e vacinar são das melhores escolhas que fazemos. Enquanto parte da sociedade, todos ganhamos com o que todas as Mães querem, o melhor para os Bebés.

Artigo de opinião de Inês Palma dos Reis, coordenadora do Núcleo de Estudos de Medicina Obstétrica da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI).

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS