"Ténis (Con)Vida" vence Orçamento Participativo de Cabeceiras de Basto
Segunda-feira , Novembro 30 2020 Periodicidade Diária nº 2651
Principal / Região / Cabeceiras de Basto / “Ténis (Con)Vida” vence Orçamento Participativo de Cabeceiras de Basto

“Ténis (Con)Vida” vence Orçamento Participativo de Cabeceiras de Basto

O projeto “Ténis (Con)Vida” foi o grande vencedor da edição 2020 do Orçamento Participativo de Cabeceiras de Basto, com um total de 1.628 votos apurados.

Desta forma, a verba de 15 mil euros disponível neste orçamento tem como objetivo o redimensionamento de um campo de ténis, tendo em vista aumentar a capacidade de ensino e criar condições para o acolhimento de “torneios oficiais” da modalidade em Cabeceiras de Basto.

Note-se que esta quinta edição do Orçamento Participativo, subordinada ao tema “Desporto e Tempos Livres”, contou, ainda, com mais três propostas: “São Nicolau, Spot Família” (1.471 votos), “Gabinete de Apoio à Gestão Desportiva” (1.258 votos) e “Abadim com futuro” (77 votos).

A Câmara Municipal felicitou o projeto vencedor, regozijando-se pela grande participação, a maior de sempre, com mais de 4.400 votos validados nesta edição. “A autarquia cabeceirense congratula-se, igualmente, com o importante envolvimento do movimento associativo neste 5.º Orçamento Participativo e agradece aos promotores, desde logo ao vencedor Clube de Ténis São Miguel de Refojos, mas também aos restantes participantes, nomeadamente a Associação Cultural e Recreativa In.Pacto, o Contacto Futsal Clube e a Associação Recreativa Desportiva e Cultural de Abadim. A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto continua a ter no movimento associativo parceiros privilegiados para a promoção do desenvolvimento do potencial humano e social desta terra”, realçou a Câmara Municipal.

O Orçamento Participativo de Cabeceiras de Basto tem como objetivo continuar a reforçar a participação dos munícipes e, através dos seus contributos, apoiar os processos de tomada de decisão; contribuir para a cidadania ativa, participativa, responsável e inclusiva; e incentivar o diálogo entre eleitos, técnicos municipais, cidadãos e sociedade civil.