Saúde respiratória: Cuidar do nosso Pulmão – Uma Aprendizagem Permanente
Sexta-feira , Novembro 27 2020 Periodicidade Diária nº 2648
Principal / Opinião / Saúde respiratória: Cuidar do nosso Pulmão – Uma Aprendizagem Permanente

Saúde respiratória: Cuidar do nosso Pulmão – Uma Aprendizagem Permanente

Isabel Saraiva

Cuidar da nossa saúde respiratória é um processo de aprendizagem, que começa no dia em que recebemos o diagnóstico de DPOC.

Aprender que tudo começa com a prevenção: deixar de fumar e a vacinação contra a gripe e pneumonia, porque o tabaco é um agressor das vias respiratórias e o diagnóstico de DPOC implica de imediato uma situação de risco acrescido em caso de gripe e de pneumonia.

Aprender a viver com disciplina.

Aprender que os pulmões não têm férias, nem fins de semana, nem feriados, que a medicação não pode falhar e tem de ser feita de acordo com as indicações que recebemos dos profissionais de saúde que nos acompanham.

Aprender a procurar boas condições ambientais e uma boa qualidade de ar (interior e exterior).

Aprender a ter uma alimentação equilibrada e a fazer exercício físico de acordo com a capacidade individual.

Aprender a coordenar as atividades diárias de acordo com os graus de fadiga que se vão experimentando.

Aprender a resistir ao desejo de ficar no sofá e a não desistir do programa de reabilitação respiratória que foi indicado.

Aprender a lidar com a ansiedade, procurando encontrar a tranquilidade no desempenho de atividades várias, praticando uma nova tarefa ou desenvolvendo competências adormecidas.

Aprender a ter os medicamentos organizados e uma lista de contactos – familiares, cuidadores, médicos – sempre atualizada e disponível.

Aprender a fazer perguntas aos profissionais de saúde que tratam de nós, sem vergonha e sem medo, respeitando a profissão e as instituições.

E se este processo de aprendizagem permanente que equilibra a vida e ampara os dias difíceis é sempre importante para as pessoas com DPOC, os tempos que vivemos de uma Pandemia sem fim à vista, carregados de incertezas e de perigos, recomendam  que, com firmeza, dia após dia vivamos com normas que garantam, dentro do condicionalismo existente, uma vida com qualidade.

Artigo de opinião de Isabel Saraiva, presidente da Respira – Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas.