Projeto da UMinho usa ADN para monitorizar recursos pesqueiros no Atlântico
Quarta-feira , Dezembro 2 2020 Periodicidade Diária nº 2653
Principal / Atualidade / Projeto da UMinho usa ADN para monitorizar recursos pesqueiros no Atlântico

Projeto da UMinho usa ADN para monitorizar recursos pesqueiros no Atlântico

Um projeto liderado pela Universidade do Minho para melhorar a gestão sustentável de recursos pesqueiros na rota atlântica de Magalhães vai receber uma bolsa de cerca de 300 mil euros esta quarta-feira, dia 21, pelas 18h15, no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa.

Trata-se de um dos prémios de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico atribuídos no âmbito nas Comemorações do V Centenário da Viagem de Circum-Navegação. O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, é uma das personalidades previstas na sessão.

O projeto da UMinho intitula-se A-Fish-DNA-Scan, é coordenado pelo investigador Filipe Costa, do Centro de Biologia Molecular e Ambiental (CBMA), e tem a parceria das universidades do Algarve, de Coimbra, Estadual de São Paulo (Brasil) e Técnica do Atlântico (Cabo Verde), além do Instituto Português do Mar e da Atmosfera e do Instituto do Mar de Cabo Verde. O trabalho, agora premiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, vai monitorizar ovos e larvas de peixe (ictioplâncton) através de um sistema baseado em sequências do ADN de uma região pré-definida do genoma. Esta ação é fulcral na gestão de recursos pesqueiros para sinalizar épocas e locais de desova, bem como inferir a abundância de stock de desovantes e o recrutamento de novos espécimes.

A identificação rigorosa e eficiente de ovos e larvas de peixe com base na sua morfologia é uma tarefa muito difícil. Por isso, os cientistas vão testar e implementar uma metodologia sustentada na sequenciação de alto débito, designada “DNA metabarcoding”. É baseada em códigos de barras de ADN, análogos aos códigos de barras dos produtos comerciais, e define para cada espécie uma sequência de bases do ADN que a caracterizam. Por via desta abordagem, as identificações de espécies de peixes em amostras de ictioplâncton poderão ser realizadas com maior rapidez e rigor, possibilitando ainda uma monitorização com maior frequência temporal e espacial, e disponibilizando dados abundantes e muito relevantes para a gestão de stocks pesqueiros.

O projeto, que se prolonga até agosto de 2023, quer contribuir para a agenda da iniciativa intergovernamental Atlantic Interactions e tem como referencial a viagem de circum-navegação, no seu quadro conceptual de descoberta da terra e dos oceanos, de interação com povos e culturas e do mundo natural e da riqueza biológica. “Assim como Fernão de Magalhães demonstrou que o mar é só um e que os oceanos não têm fronteiras, também os recursos pesqueiros não conhecem fronteiras e, por isso, têm que ser geridos em concertação internacional”, diz Filipe Costa, que é investigador do CBMA e professor do Departamento de Biologia da Escola de Ciências da UMinho, em Braga.