Segunda-feira, Setembro 27, 2021
18.3 C
Braga
InícioAtualidadeInvestigadores da Universidade do Minho premiados pela Sociedade Portuguesa de Filosofia

Investigadores da Universidade do Minho premiados pela Sociedade Portuguesa de Filosofia

Universidade do Minho

Roberto Merrill, Sara Bizarro, Gonçalo Marcelo e Jorge Pinto, investigadores do Centro de Ética, Política e Sociedade (CEPS) da Universidade do Minho, venceram o Prémio de Ensaio da Sociedade Portuguesa de Filosofia, pelo livro “Rendimento básico incondicional. Uma defesa da liberdade”.

O prémio de 3000 euros foi atribuído por unanimidade e teve o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Para o júri, presidido por José Meirinhos, a obra distinguida fundamenta a criação de um rendimento básico incondicional na tradição filosófica da liberdade política e individual, visando a igualdade de oportunidades para todos os cidadãos. O volume da Edições 70 avalia vários projetos-piloto – EUA, Canadá, Índia, Namíbia, Países Bascos, Macau, Finlândia – e como é possível generalizá-los e universalizá-los, combatendo urgências globais, por exemplo, no ambiente e no acesso a condições de vida digna. O júri frisa que a natureza polémica da proposta é devidamente sublinhada nas 274 páginas do livro, discutindo os múltiplos argumentos a favor e contra, nos planos social e da teoria económica.

“O trabalho pago já não é um direito para cada vez mais pessoas e é fulcral criar políticas sociais, económicas e financeiras capazes de garantir o direito universal a uma vida digna”, realça Roberto Merrill. O autor é professor da Escola de Letras, Artes e Ciências Humanas da UMinho, diretor do mestrado em Filosofia Política da UMinho e presidente da Associação Portuguesa pelo Rendimento Básico Incondicional. É ainda investigador do CEPS-UMinho, onde coordena vários projetos neste âmbito, bem como do Centro de Ciência Política de Sciences Po Paris (França).

O rendimento básico incondicional consiste numa prestação social fixa igual para cada cidadão, quer trabalhe ou não, quer seja rico ou pobre. A ideia é antiga e alegadamente utópica, mas tem tido interesse recente de académicos, políticos, empresários, ativistas e os que prezam o bem comum, face aos desafios dos Estados modernos.

Apoie a Braga TV

A Braga TV precisa do seu contributo, caro leitor.

Contribua com o seu donativo para que possamos continuar a dar informação aos nossos leitores.

Apoie aqui.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS