Terça-feira, Julho 23, 2024
37.8 C
Braga
CulturaHá novas confirmações para o Semibreve 2023 

Há novas confirmações para o Semibreve 2023 

© Clarice Jensen

De 26 a 29 de outubro, a 13.ª edição do Semibreve, festival de música eletrónica e arte digital, contará com espetáculos de violoncelista norte-americana Clarice Jensen, a estreia mundial da colaboração entre Maya Shenfeld e o artista visual português Pedro Maia, o regresso ao festival do artista holandês Thomas Ankersmit e a portuguesa Inês Malheiro. Já as produtoras britânicas Loraine James e Beatrice Dillon e o português DJ Lynce são as mais recentes adições ao programa de clubbing do festival. 

Formada pela Juilliard School, a norte-americana Clarice Jensen, compositora e violoncelista radicada em Nova Iorque, fará a sua estreia no festival. Como artista a solo, Clarice desenvolveu uma abordagem composicional distinta, improvisando e sobrepondo o seu violoncelo através de loops e cadeias de efeitos eletrónicos, dando espaço a uma exploração de campos sonoros baseados em drones.

Também em estreia no festival estará Loraine James, conhecida pelo seu alter-ego Whatever the Weather. A produtora britânica apresentará em live o seu mais recente disco, “Gentle Confrontation”, terceiro álbum na referente editora Hyperdub. 

A compositora de Jerusalem Maya Shenfeld e o cineasta português Pedro Maia, ambos radicados em Berlim, apresentam em estreia mundial um novo espetáculo audiovisual colaborativo. Concluído após um período de residência em Portugal e baseado no novo disco de Maya, “Under the Sun”, este espetáculo resulta de uma encomenda artística do festival SEMIBREVE no âmbito do programa colaborativo Re-Imagine Europe – New Perspectives for Action. 

Depois de uma atuação memorável na edição de 2014, o artista holandês Thomas Ankersmitestá de regresso a Braga. O músico celebrará o 50.º aniversário do Serge Modular, um sintetizador modular analógico originalmente desenvolvido por Serge Tcherepnin na década de 70.

Outra estreia no festival é a de Beatrice Dillon. Autora de novas ideias sobre a música com groove, a produtora e DJ combinará o seu amor pela club music do Reino Unido e as influências afro-caribenhas com uma abordagem experimental à composição moderna e à fusão estilística, utilizando técnicas inventivas de sampling e uma mistura luminosa adaptada da pop moderna.

Também pela primeira vez no festival estará o artista sonoro e experimental Nexcyia. Trabalhando com found sounds, o norte-americano distingue-se por paisagens sonoras imersivas que conectam humores, emoções e lugares através do ruído, síntese granular, texturas e ritmos. 

De Braga, a artista e compositora Inês Malheiro estrear-se-á no festival e dará a conhecer as narrativas sonoras que compõe através da voz, improvisada ou premeditada. O disco de estreia “Deusa Náusea” foi editado no ano passado pela Lovers & Lollypops.

DJ Lynce é um outro nome português que figurará na edição deste ano. Natural do Porto, Lynce é o alter-ego de Pedro Santos, dono de uma idiossincrática coleção de discos, que manipula com uma técnica irrepreensível e uma versatilidade sónica. 

A esta vaga de novos nomes juntam-se as já confirmadas atuações de Anja Lauvdal, Emeralds, Kali Malone, Kassel Jaeger com Eléonore Huisse, Tujiko Noriko com Joji Koyama, Mumdance e Nkisi. 

Até 15 de julho estão a decorrer as candidaturas ao Edigma Semibreve Award, prémio internacional que visa premiar e estimular a criação artística no domínio da intersecção entre arte e tecnologia. A proposta vencedora receberá um prémio de 2500 euros e apresentará o trabalho no festival.

Os passes gerais para a edição de 2023 estão à venda aqui.

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

NEWSLETTER

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES