Sexta-feira, Setembro 17, 2021
18 C
Braga
InícioAtualidadeEquipa da UMinho conclui que combate à Malária avança com contributo de...

Equipa da UMinho conclui que combate à Malária avança com contributo de bioinformática

Nuno Osório

Uma equipa de investigadores do ICVS da Escola de Medicina da Universidade do Minho (UMinho) liderada por Nuno Osório, conclui que o estudo do maior parasita da malária – o Plasmodium Falciparum – deve considerar, com a ajuda da bioinformática, o estado de desenvolvimento do parasita nos nossos glóbulos vermelhos. O trabalho foi agora publicado na revista Nature.

A investigação da equipa da UMinho, composta por Nuno Osório e Sílvia Portugal (investigadora portuguesa do Instituto Max Planck), revelou uma assinatura de transcrição, nomeadamente um perfil transversal a vários estudos que identifica uma hipótese nova: o tempo de circulação do parasita está associado ao seu potencial de crescimento e virulência, influenciando o resultado da doença. Com a ajuda da bioinformática foi possível demonstrar a importância de estarmos atentos ao estado de desenvolvimento dos parasitas nos nossos glóbulos vermelhos infetados.

O investigador Nuno Osório explica que “a maior carga de parasitas resulta da capacidade que terão em promover uma ligação forte dos glóbulos vermelhos infetados às células endoteliais (parte da parede interna dos nossos vasos sanguíneos), retirando-os da circulação sanguínea e permitindo fugir à eliminação que numa situação normal aconteceria no baço. Isto contribuirá para um aumento mais rápido da quantidade de parasitas no corpo da pessoa infetada, resultando em apresentações clínicas piores”.

“Ao destacarmos a dinâmica de adesão celular dos glóbulos vermelhos infetados como uma das grandes forças impulsionadoras da severidade clínica da malária reforçamos também futuros alvos terapêuticos que poderão ser utilizados em novas formas de combater a malária”, remata o investigador da UMinho.

O trabalho desenvolvido contou, em todas as etapas, com apoio de bioinformática. “Nos últimos anos, a bioinformática permitiu evoluir da investigação científica centrada num conjunto limitado de genes ou proteínas para uma perspetiva mais ampla, mais geral e completa”, contextualiza Nuno Osório, responsável da equipa do ICVS que coordenou o trabalho em bioinformática.

Além do papel essencial na identificação de assinaturas, como teve neste trabalho específico, a utilização desta área na investigação biomédica permite a utilização de dados em larga escala, ajudando a responder a questões biológicas mais avançadas. “Estes avanços poderão ser traduzidos em métodos de diagnósticos mais avançados, ou terapias mais eficazes para diversas doenças”, conclui.

A malária é a maior causa de morte em África, com aproximadamente 400 mil mortes em 2019, a maioria de menores de cinco anos.

Apoie a Braga TV

A Braga TV precisa do seu contributo, caro leitor.

Contribua com o seu donativo para que possamos continuar a dar informação aos nossos leitores.

Apoie aqui.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS