Quarta-feira, Setembro 22, 2021
17 C
Braga
InícioCulturaCiclo de conferências reflete na UMinho o colonialismo português

Ciclo de conferências reflete na UMinho o colonialismo português

DR

É a partir da exposição “O Silêncio da Terra – Visualidades (pós) coloniais intercetadas pelo Arquivo Diamang” que a Universidade do Minho (UMinho), através do Laboratório de Paisagens, Património e Território (Lab2PT), organiza um ciclo de conferências e mesas redondas que pretendem questionar e refletir a experiência do colonialismo tardio português.

O ciclo na UMinho engloba sete sessões – a primeira acontece esta sexta-feira, às 15:00 – sendo que cada uma será subordinada a uma problemática particular com temas como os arquivos, discursos e linguagens, trabalho: dominação e resistência, raça e género, movimentos emancipatórios, cultura e interações, linguagens cinematográficas: estética e política.

O programa de conferências e mesas redondas é organizado pelo Lab2PT, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS), Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais (CICS) e Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) e tem como coordenadores os docentes Fátima Moura Ferreira (Lab2PT), Moisés Lemos Martins (CECS), Fernando Bessa (CICS) e Luís Cunha (CRIA).

“Dos arquivos contemporâneos às performances disciplinares” é o tema que convida ao debate na primeira sessão que acontece já na próxima sexta-feira, dia 14 de maio, às 15:00. A sessão será moderada por Francisco Azevedo Mendes (Lab2PT) e Patrícia Leal e terá como intervenientes os docentes Alberto Sá (CECS), Elisário Miranda e Maria Manuel Oliveira (Escola de Arquitetura, Artes e Design), Inês Ponte e Ricardo Roque (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa), Ana Paula Tavares (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) e Alice Santiago Faria (Centro de Humanidades) e ainda Alexandra Aparício (Arquivo Nacional de Angola), Ana Cana Martins (Arquivo Histórico Ultramarino) e o artista visual Nuno Nunes Ferreira. A sessão vai acontecer no Instituto de Ciências Sociais da UMinho e terá transmissão em direto.

A 21 de maio irá abordar-se “Estética, política e linguagens cinematográficas” numa sessão conduzida por Isabel Macedo e Tiago Silva (CECS) e Francisco Ferreira (Lab2PT). “Trabalho, dominações e resistências” dá o mote para a conferência que acontecerá a 28 de maio e que terá Fernando Bessa (CICS) e Sheila Khan (CECS) como moderadores. Fátima Moura Ferreira e Alexandra Esteves (Lab2PT) são responsáveis pela condução da 4ª conversa do ciclo que acontece a 4 de junho e que irá abordar o tema: “Da interseccionalidade dos corpos segregados: raça e género”. A 18 de junho, “Poder e movimentos emancipatórios” será o assunto em discussão numa conversa moderada por Bruno Madeira (Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória) e Rita Lucas Narra (Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa). A 25 de junho há sessão dupla de conferências. A primeira abordará “Cruzamentos: cultura, literatura e museus” e terá Luís Cunha (CRIA) e João Sarmento (CECS) como moderadores. A sessão extra desse dia acontece pelas 21:30 e terá como tema “Estética, política e linguagens cinematográficas”. A conversa será moderada por Isabel Macedo e Tiago Silva (CECS) e Francisco Ferreira. Todas as sessões, à exceção da última, acontecem a partir das 15h00.

O itinerário crítico deste ciclo desenha-se sob o horizonte da exposição do arquivo fotográfico da Diamang, criado com o fim explícito de documentar a missão civilizacional empreendida pela empresa na Lunda (Angola), entre 1917 e 1974. A exposição desdobra-se em dois locais. Na Galeria do Paço pode ver-se até 30 de junho uma seleção do arquivo fotográfico, intercetado com obras daqueles artistas. Já no Museu Nogueira da Silva (MNS), e até 10 de setembro trabalha-se o arquivo histórico colonial sob três propostas: a residência artística de Délio Jasse, criada a partir do arquivo fotográfico da Diamang; o trabalho de Henrique Neves Lopes e os vídeos de Catarina Simão e Filipa César, que têm por base criativa materiais de arquivos coloniais; e a reprodução integral do arquivo fotográfico da Diamang sedeado no MNS.

Apoie a Braga TV

A Braga TV precisa do seu contributo, caro leitor.

Contribua com o seu donativo para que possamos continuar a dar informação aos nossos leitores.

Apoie aqui.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS