Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso apoia a esterilização animal
Terça-feira , Outubro 20 2020 Periodicidade Diária nº 2610
Principal / Região / Póvoa de Lanhoso / Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso apoia a esterilização animal

Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso apoia a esterilização animal

O Município de Póvoa de Lanhoso, através do seu presidente, Avelino Silva, entregou um apoio de mil euros ao Projeto Gatos de Rua PVL, através do CAPA, para esterilização de gatas.

Estima-se que, neste momento, existam pelo menos 20 colónias que representam cerca de 300 gatos assilvestrados, só no limiar da Vila da Póvoa de Lanhoso.

O CAPA é o Clube de Adoção e Proteção de Animais da Póvoa de Lanhoso. Em todas as cidades e vilas é notória a existência de colónias de gatos em estado semisselvagem, que habitam locais abandonados ou espaços verdes recatados. Fruto das caraterísticas próprias da espécie, estas colónias vão-se expandindo. Sem abrigos, sem pontos para alimentação e sem qualquer tipo de intervenção sanitária, estes locais não salvaguardam o bem-estar-animal e representam perigo em termos de saúde pública.

A Lei n.º 27/2016 de 23 de agosto, complementada pela Portaria 146/2017 de 26 de abril, prevê a concretização de programas de captura, esterilização e devolução (CED) para gatos como forma de gestão da população de gatos errantes e nos casos em que tal se justifique. Os referidos diplomas regulamentam ainda os locais de implementação assim como existência de um plano de gestão da colónia.

Através do Projeto Gatos de Rua PVL e com o apoio da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso já foi possível a criação da “Aldeia dos Gatos”, que permitirá a intervenção nas referidas colónias, tendo por base programas CED (captura, esterilização e devolução). No momento, já foram instalados dois abrigos, cuja gestão está a cargo do Projeto Gatos de Rua PVL.

A existência deste tipo de equipamentos, devidamente edificados e sinalizados providenciará o ponto de partida para uma gestão organizada e progressiva a este nível.

A existência de um espaço físico com capacidade de confinamento permitirá ainda a possibilidade de alojar e monitorizar animais feridos e/ou resgatados de outros locais.

Paralelamente, com este tipo de intervenção conseguir-se-á a requalificação de espaços, melhorando a sua atratividade e sensibilizando munícipes e turistas no que respeita a este tema.