Braga estreia residências literárias com autores internacionais
Sexta-feira , Setembro 18 2020 Periodicidade Diária nº 2578
Principal / Notícias / Braga estreia residências literárias com autores internacionais

Braga estreia residências literárias com autores internacionais

CMB

O Município de Braga vai estrear residências literárias com autores internacionais. Clara Não, Patricio Pron, Sònia Hernández e Valério Romão são os primeiros convidados do novo projeto de residências literárias do Município de Braga, uma iniciativa que visa dar continuidade à promoção da Leitura, da Literatura e da criação literária.

“A próxima Capital da Cultura do Eixo Atlântico continuará de portas abertas para o mundo e convida quatro autores a conhecerem a cidade, e a dá-la a conhecer”, afirma Lídia Dias, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Braga.

Cada convidado terá duas semanas para descobrir a região e comunidade bracarense num conjunto de sessões nas escolas do concelho e na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva. Os autores, que estarão na cidade entre setembro e novembro, criarão textos com Braga como pano de fundo, que serão publicados na coleção Cadernos de Braga, a ser lançada na Feira do Livro de Braga 2021.

As residências arrancam com dois nomes destacados pela revista Granta entre os melhores jovens autores de língua espanhola. Sònia Hernández, autora catalã e colaboradora do jornal La Vanguardia, estará na cidade de 22 de setembro a 6 de outubro. De 7 a 21 de outubro será a vez de Patricio Pron, escritor argentino galardoado com os prémios Juan Rulfo e Alfaguara.

O projeto continua com os portugueses Clara Não, ilustradora e autora de “Miga, esquece lá isso!”, de 8 a 22 de outubro, e Valério Romão, finalista do prémio Femina com obra publicada em vários países, que fecha o primeiro ciclo de residências de 29 de outubro a 12 de novembro.

Para a vereadora da Cultura, esta iniciativa pretende ser “mais um sinal de renovação dos objectivos” que orientam a missão do pelouro da Cultura. “A Cultura é criação e queremos que a cidade de Braga seja, cada vez mais, sede de residências artísticas”, acrescenta.

A aposta declarada na criação artística e na capacitação dos agentes e entidades culturais é, segundo a vereadora, “uma das dimensões que o Município pretende desenvolver com maior acuidade”, indo de encontro à nova estratégia cultural de Braga.