Domingo, Maio 19, 2024
13.4 C
Braga
BragaBraga destaca-se como epicentro das discussões sobre a Economia da Noite

Braga destaca-se como epicentro das discussões sobre a Economia da Noite

© CM Braga

A Economia da Noite esteve em destaque no primeiro encontro da rede “Cities After Dark”, no âmbito do programa do URBACT. A cidade de Braga recebeu os parceiros deste projeto europeu, reunindo especialistas e líderes de várias cidades para discutir estratégias inovadoras relacionadas com a vida noturna das cidades.

Um dos pontos altos do programa foi a Conferencia Internacional “Cities After Dark – Uma Perspetiva sobre a Economia da Noite”, que decorreu esta terça-feira, no Theatro Circo, e cuja sessão de abertura esteve a cargo de Ricardo Rio.

Segundo o presidente da Câmara Municipal de Braga, as cidades têm cada vez mais atividades no período noturno e têm de se adaptar e estar preparadas para essa responsabilidade. “As cidades não param quando anoitece e é necessário ter continuidade na capacidade de resposta para diferentes desafios. Isso coloca responsabilidades acrescidas a quem gere serviços públicos, nomeadamente em áreas cruciais como a mobilidade, segurança e proteção civil, assim como os serviços básicos que têm de ser assegurados à população”, referiu o autarca, destacando a presença de Braga em mais uma rede URBACT – neste caso como estrutura líder da rede -, que é “sinal do nosso compromisso na partilha de experiências e de aprendizagens com diversas cidades em contexto europeu”.

Os desafios e oportunidades da economia da noite são diversos e, como explicou Ricardo Rio, é necessário “conciliar as preocupações da população residente com a atividade económica e turística que se desenvolve durante o período noturno, de forma a atingir o equilíbrio necessário”. Para isso, “temos de encontrar novos modelos e novas formas de envolvimento entre os cidadãos e as instituições para se adaptaram às novas realidades”, defendeu o autarca, dando como exemplo a nova creche de Braga que vai funcionar durante 24 horas, “que vem responder a um desafio muito concreto de quem trabalha na área da saúde e tem de desenvolver a sua atividade também no período noturno”.

Moderada por Simone D’Antonio, especialista da Comissão Europeia para a Economia da Noite, a conferência teve como oradores Thierry Charlois e Natalie Mets, responsáveis das políticas para a noite das cidades de Paris e de Tallinn, assim como Juma Assiago, Coordenador Global do programa “Safer Cities” da UN-Habitat, e o urbanista norte-americano, Alby Bocanegra.

© CM Braga

A conferência teve o propósito de evidenciar a importância da economia da noite em temas como a segurança urbana, entretenimento noturno e estratégias inovadoras para tornar as cidades mais vibrantes e seguras após o anoitecer. Os oradores partilharam as suas visões e experiências, criando um espaço de aprendizagem e discussão vital para todas as cidades que procuram melhorar a governança durante o período noturno e promover o desenvolvimento urbano sustentável.

Sob o mote “Economia da Noite para um Crescimento Sustentável”, a rede “Cities After Dark” é liderada por Braga, envolvendo dez cidades europeias “muito heterogéneas”, sendo uma das poucas redes URBACT compostas por três capitais dos seus países. Além de Braga, fazem parte desta rede as cidades de Paris (França), Tallinn (Estónia), Varna (Bulgária), Génova (Itália), Málaga (Espanha), Nicósia (Chipre), Piraeus (Grécia), Zadar (Croácia) e Budva (Montenegro).

A “Economia da Noite” é composta por atividades essenciais para o funcionamento de uma cidade 24 horas por dia e desempenham um papel significativo na economia global. Este projeto abrange diversos setores, como mobilidade, entretenimento, hospitalidade, serviços de emergência, segurança, logística, serviços, entre outros.

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

NEWSLETTER

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES