Quinta-feira, Abril 11, 2024
11.7 C
Braga
AtualidadePolíticaBloco de Esquerda comemorou 25 anos com jantar em Famalicão

Bloco de Esquerda comemorou 25 anos com jantar em Famalicão

© Bloco de Esquerda

Catarina Martins esteve presente no jantar de aniversário do Bloco de Esquerda, em Famalicão.

Na sua intervenção, a ex-coordenadora bloquista afirmou que no Bloco “não temos lutas em lista de espera”, explicando que “quando defendemos o direito do trabalho estamos também a defender os direitos das mulheres. Sabemos que não há direito do trabalho sem o combate antirracista, sabemos que ninguém é livre se todas as famílias não forem respeitadas”.

“Sabemos que o problema da habitação é também o problema do trabalho, porque o salário não chega. Sabemos que o problema da habitação é também o problema do jovem que sair de casa mas não consegue. Sabemos de mulheres presas em relações violentas porque não têm habitação. Cada vez que fazemos uma luta, estamos a fazer todas as lutas”, declarou Catarina Martins.

“A democracia vive da esperança, de saber que podemos construir um projeto comum” afirmou a bloquista acrescentado que o partido rejeita todas as propostas que tentam convencer os mais jovens de que devem resignar-se a ter uma vida pior do que a dos seus pais. O estado social é uma arma. Quando vamos à luta nesta campanha sabemos que não celebramos o 25 de abril como um cravo morto à lapela. Queremos construir o que nunca foi feito. Sabemos a extraordinária força que criou a democracia. Sabemos que o Bloco de Esquerda é a força que aqui está todos os dias para garantir que andamos para a frente e não para trás”, defende a ex-líder do partido.

“Temos pouco mais de uma semana até às eleições. Em Braga, a esquerda que elege é o Bloco de Esquerda. Quem vai fazer a diferença no dia seguinte às eleições é o Bloco de Esquerda” afirmou Catarina Martins acrescentado que “é o Bloco de Esquerda que vai defender  quem trabalha, que vai lembrar os trabalhadores por turnos, que vai defender as pensões, e a habitação, e a saúde e a educação e a dignidade de cada uma das pessoas. Vamos acabar a campanha num grandioso 8 de março, Dia Internacional da Mulher, para dizer a toda a direita que podem ir dar uma curva, os direitos das mulheres estão cá para ficar”, concluiu Catarina Martins.

Neste jantar, intervieram também Vanessa Brandão, estudante de história, José Maria Cardoso, professor e mandatário da lista, e Bruno Maia, médico e cabeça de lista do Bloco de Esquerda no distrito.  

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES