Quinta-feira, Maio 30, 2024
32.3 C
Braga
RegiãoGuimarãesAlojamento Universitário de Guimarães estará suspenso por 170 toneladas de metal

Alojamento Universitário de Guimarães estará suspenso por 170 toneladas de metal

Empreitada de 13,8 milhões de euros terá a participação da Beetsteel, empresa de metalomecânica do Grupo Arliz, construtora de Braga.

© Grupo Arliz

No total são 170 as toneladas de metal que a Beetsteel, empresa de metalomecânica do Grupo Arliz, construtora de Braga, irá instalar na residência universitária autossustentável que vai nascer no AvePark, o Parque de Ciência e Tecnologia de Guimarães. A informação foi avançada pela Direção da empresa, que se mostra entusiasmada com o projeto.

“É urgente adotarmos comportamentos e desenvolvermos soluções mais ecológicas e o AvePark vem contribuir e inspirar esse movimento, com a construção deste empreendimento ‘net-zero’. Para nós, Beetsteel, é um orgulho enorme fazer parte de um projeto sustentável e inovador como este”, revela Patrícia Vieira, diretora da Beetsteel.

A grande aposta do projeto, que é, neste momento, a maior empreitada do Município de Guimarães, reside na sua autossuficiência energética, baixa emissão de CO2, custos de manutenção reduzidos e adaptabilidade ao longo do tempo. Com estas características, o edifício obteve a classificação energética A+ NZEB 21 – Edifício Muito Eficiente, bem como a certificação pelo sistema ‘LiderA’ com uma classe de desempenho excecional, também de A+.

© Grupo Arliz

A construção da residência, baseada num sistema de construção modular e pré-fabricada, destaca-se pelo uso predominante da madeira, integrada de várias formas e suportada por uma estrutura metálica com assinatura Beetsteel. A geometria, em forma de “U”, com uma cave, um piso térreo e dois pisos superiores, foi projetada para se ajustar à envolvente e às características do terreno, incluindo pendentes acentuadas. Por sua vez, a cobertura de grande dimensão, projetada para acomodar a quantidade necessária de painéis fotovoltaicos e solares, é que garante a autossuficiência energética do edifício.

No final da construção, o novo edifício estará equipado com 20 quartos individuais, 35 quartos duplos, 24 estúdios, 4 T0, 22 T1 e 5 T2, que darão resposta a uma necessidade de oferta variada de tipologias de alojamento para estudantes, investigadores e docentes. Também está contemplada a existência de espaços comuns (ginásio, áreas de estudo/trabalho, zonas de convívio, lazer e refeições), administrativos, para tratamento de roupas, para pessoal, técnicos e de manutenção do edifício.

© Grupo Arliz

A empreitada, que surge no âmbito do Programa Nacional de Alojamento para o Ensino Superior (PNAES), tem o apoio do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e resultará num investimento de aproximadamente 13,8 milhões de euros (ao qual acresce o valor do IVA).

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

NEWSLETTER

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES