Vencedores do Prémio de Reabilitação Urbana de Braga anunciados a 9 de novembro
Quarta-feira , Dezembro 2 2020 Periodicidade Diária nº 2653
Principal / Braga / Vencedores do Prémio de Reabilitação Urbana de Braga anunciados a 9 de novembro

Vencedores do Prémio de Reabilitação Urbana de Braga anunciados a 9 de novembro

Os vencedores do Prémio de Reabilitação Urbana – “Reabilita Braga” serão anunciados no próximo dia 9 de novembro. Esta é uma iniciativa promovida pelo Município de Braga que visa distinguir as boas práticas de reabilitação urbana e premiar a investigação académica realizada nesta área. A cerimónia terá lugar no Theatro Circo, pelas 17h00, e será transmitida em direto no portal reabilitabraga.pt.

A cerimónia de entrega do prémio inclui a realização de um debate que contará com as participações do vereador Miguel Bandeira, vereador da Regeneração Urbana da Câmara Municipal, Bernardo Reis, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Braga, António Carlos, delegado Distrital de Braga da Ordem dos Engenheiros, e dos vencedores da edição de 2018 do Prémio Reabilita Braga, a arquiteta Marta Campos e Filipe Ferreira, administrador da AOF. Este debate será moderado por António Gil Machado, diretor da “Vida Imobiliária”.

Para Miguel Bandeira, este prémio representa “um estímulo à reabilitação urbana que integra a valorização do património arquitetónico e urbanístico”. “É uma iniciativa que pretende divulgar boas práticas, valorizar o saber-fazer ligado às atividades tradicionais de Braga, como o trabalho ornamental da pedra, a recuperação das madeiras e da talha, dos estuques, dos azulejos e dos vitrais, relacionando as linguagens contemporâneas, eficiência energética e a conforto do edificado”, salienta o vereador.

Depois de uma edição de arranque de grande sucesso, em 2018, o prémio bienal “Reabilita Braga” voltou a registar um novo recorde de candidatos. “Esta edição foi particularmente rica, com propostas diversificadas e demonstrou já uma evolução de intervenção aos níveis do melhor que se vem fazendo nos centros históricos”, acrescentou Miguel Bandeira.

O prémio Reabilita Braga divide-se nas categorias de “Edificação” e de “Investigação”. A categoria “Edificação” encontra-se subdividida em duas modalidades: Obra de construção – as obras de criação de novas edificações inserida em Área de Reabilitação Urbana legalmente constituída; e obra de restauro e de reabilitação – considerada como intervenção em espaço público e/ou em edifícios, localizada no território municipal, que respeite as características arquitectónicas e patrimoniais da estrutura pré-existente e valorize a sua história e identidade.

Já a categoria de “Investigação” inclui trabalhos académicos (teses de mestrado, doutoramento e “papers”), desenvolvidos em universidades portuguesas sobre temas da reabilitação urbana e cujo objeto de estudo seja (ou esteja localizado) no concelho de Braga.

Sobre o olhar criterioso do júri passaram uma dezena de candidatos, de pequena e grande escala, todos localizados no território municipal, sendo que a difícil decisão de escolher os melhores entre os melhores, coube a um júri constituído por sete personalidades de diferentes áreas.

Na categoria “Edificação” integram o júri Alexandre Basto, Isabel Silva, António Carlos Rodrigues, Ricardo Silva e Miguel Bandeira, que integra ainda o júri da categoria “Investigação”, a par de José Alberto Rio Fernandes e Manuel Miranda.

Os prémios têm o valor de 5.000 euros para a categoria de “Investigação”. Na categoria de edificação o júri atribuirá prémios no valor de 5.000, no caso da sub-categoria nova edificação, e de 10.000 euros, para a sub-categoria reabilitação e restauro.