Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica do hospital de Braga ponderam avançar com greve
Terça-feira , Agosto 11 2020 Periodicidade Diária nº 2540
Principal / Notícias / Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica do hospital de Braga ponderam avançar com greve

Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica do hospital de Braga ponderam avançar com greve

Os técnicos superiores de Diagnóstico e Terapêutica, a trabalhar no Hospital de Braga, vão realizar esta quinta-feira, 13 de fevereiro, entre as 8h00 e as 12h00, um plenário, para decidirem formas de protesto e de luta que podem passar por uma greve, no dia 26 de fevereiro.

“O objetivo é demonstrarmos publicamente o desagrado e o descontentamento pela falta de capacidade, atempada do Hospital de Braga de dar resposta a todas as necessidades, internas e externas, que têm vindo a ser apresentadas e que põe em causa, não só as condições laborais destes profissionais, como também a prestação dos cuidados de saúde da Instituição”, explica Luís Dupont, presidente do Sindicato dos Técnicos Superiores de Saúde nas Áreas de Diagnóstico e Terapêutica.

“Em cima da mesa estão temas como a publicação dos Regulamentos Interno e de Produção Adicional, a constituição do Conselho Técnico, devidamente refletido no Regulamento Interno, a correta nomeação dos cargos de Coordenação e Direção, bem como a adesão ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos Hospitais EPE, para os TSDT, e a regularização dos vínculos precários”, acrescenta.

Após a passagem para a esfera pública do Hospital de Braga, o Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica encetou um conjunto de medidas com vista à defesa das condições laborais destes profissionais. “Num clima de cordialidade e abertura, as partes diretamente envolvidas mostraram recetividade ao que foi exposto pelo sindicato. Pediram-nos, quer a ARS Norte, quer o atual Conselho de Administração, um período de adaptação (três meses), no sentido de manter o regular funcionamento dos serviços. Contudo, passados três meses, o Conselho de Administração mostrou-se sensível, mas incapaz de resolver a situação, porque aguarda orientações da ARS Norte e da tutela. Entidades que estão, já, alertadas no sentido de estarem do lado da resolução do problema, respondendo com urgência às exigências dos TSDT, sob pena de termos de encetar formas de luta em defesa dos direitos dos trabalhadores”, lamenta Luís Dupont.

Quanto à adesão do ACT e a sua aplicação aos TSDT, a estrutura sindical lamenta, ainda, que não tenha sido dada uma resposta por parte das entidades responsáveis, que são assim responsáveis pelo descontentamento que existe no seio dos trabalhadores do Hospital de Braga.