Santuário da Falperra é alavanca para projeto comum entre Braga e Guimarães
Terça-feira , Agosto 4 2020 Periodicidade Diária nº 2533
Principal / Notícias / Santuário da Falperra é alavanca para projeto comum entre Braga e Guimarães

Santuário da Falperra é alavanca para projeto comum entre Braga e Guimarães

captura-de-ecra%cc%83-2017-01-04-as-17-57-47

O Santuário Santa Maria Madalena da Falperra foi oficialmente classificado como património nacional e o momento foi assinalado hoje, dia 4 de janeiro, com o descerrar de uma placa informativa por parte de Miguel Bandeira, vereador da Câmara Municipal de Braga, e José Bastos, vereador da Câmara Municipal de Guimarães.

O monumento, construído a partir de finais do século XVII, localiza-se nos limites dos concelhos de Braga e Guimarães – entre a freguesia de Longos (Guimarães) e a União das Freguesias de Nogueira, Fraião e Lamaçães (Braga). O santuário foi erguido numa campanha em que participou o arquiteto André Soares, a quem terá cabido a reformulação da capela renascentista que o arcebispo bracarense Diogo de Sousa mandara construir no primeiro terço do século XVI, sobre uma primitiva ermida medieval.

A classificação do Santuário como património nacional foi aprovada a 3 de novembro de 2016 em Conselho de Ministros, sendo que a decisão teve efeito a partir do passado dia 2 de janeiro, data de publicação em Diário da República.

Segundo Miguel Bandeira, a classificação é ‘motivo de regozijo’ e um reconhecimento do ‘extraordinário valor artístico’ do monumento. “É uma decisão que valoriza o património conjunto de Braga e Guimarães e é o ponto de partida para um projeto mais vasto de divulgação deste território que as autarquias estão empenhadas em concretizar. A paisagem florestal que envolve este património comum já não é um motivo de divisão entre as cidades, mas sim uma alavanca para um projeto comum.”, referiu, elencando um itinerário alargado que integra ‘atrativos incontornáveis’ como o Bom Jesus, Sameiro, Falperra, Santa Marta das Cortiças e Citânia de Briteiros.

Também José Bastos sublinhou a importância de existir mais um monumento nacional neste território. “Permite dar maior notoriedade ao monumento e ao território onde está inserido. O Santuário é riquíssimo e muito importante do ponto de vista patrimonial, pelo que a notícia do final do processo de classificação é, sem dúvida, excelente”, disse, garantindo que é “com convicção e não por obrigação que os dois Municípios estão a juntar esforços com vista à promoção do património”.

O Santuário Santa Maria Madalena da Falperra é um dos mais emblemáticos dos períodos tardo-barroco e rococó em Portugal. O santuário agora classificado está implantado num alinhamento montanhoso onde se levantaram alguns dos mais importantes santuários do Norte, nomeadamente o Bom Jesus, o Sameiro e Santa Marta das Cortiças.

A classificação reflete também o caráter matricial do bem, o seu interesse como testemunho simbólico ou religioso, o seu valor estético, técnico e material intrínseco, a sua concepção arquitetónica, urbanística e paisagística, e a sua extensão e o que nela se mostra do ponto de vista da memória coletiva.