Filigrana da Póvoa de Lanhoso reconhecida como património de interesse municipal
Sexta-feira , Janeiro 22 2021 Periodicidade Diária nº 2704
Principal / Região / Póvoa de Lanhoso / Filigrana da Póvoa de Lanhoso reconhecida como património de interesse municipal

Filigrana da Póvoa de Lanhoso reconhecida como património de interesse municipal

A Câmara Municipal de Póvoa de Lanhoso aprovou o reconhecimento da Filigrana enquanto património cultural imaterial de relevante interesse municipal.

A Filigrana da Póvoa de Lanhoso é hoje uma produção artesanal tradicional com forte vínculo ao território, tendo-se tornado um elemento patrimonial característico e definidor da identidade histórica e cultural do concelho.

“Tendo percorrido um longo caminho, a arte da filigrana chega viva aos dias de hoje, com uma dinâmica que continua acesa nas comunidades produtoras, com um desenvolvimento e qualificação relevantes, com um significado identitário importantíssimo que interessa proteger e preservar, mas também divulgar e dar a conhecer como ex libris da Póvoa de Lanhoso. A implementação do processo de certificação foi um importante passo para a qualificação e valorização da produção e da comunidade de ourives filigraneiros”, refere a Autarquia.

Desta forma, entende a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso que a classificação da filigrana como património de interesse municipal é “plena de sentido e oportunidade, já que se trata de uma tradição viva, uma expressão social de caráter tradicional praticada no presente, com o envolvimento da comunidade de detentores do processo”.

“Este reconhecimento a um produto local de forte valor artesanal, que envolve uma indústria com um número considerável de artesãos, e que tende a renascer, irá contribuir para a recuperação, revitalização e valorização desta herança cultural. Irá ainda permitirá potencializar os recursos endógenos como fator de desenvolvimento local, de forma a contribuir para o despertar da memória coletiva e para que os valores legados pelos mestres filigraneiros sejam preservados de forma a que se garanta a tramitação para as gerações vindouras”, explicou ainda.