PS alerta para risco de derrocada da nova sede de campanha de Ricardo Rio
Terça-feira , Agosto 11 2020 Periodicidade Diária nº 2540
Principal / Notícias / PS alerta para risco de derrocada da nova sede de campanha de Ricardo Rio

PS alerta para risco de derrocada da nova sede de campanha de Ricardo Rio

Ricardo Rio inaugurou esta segunda-feira a sede de candidatura, que se situa em pleno coração da cidade de Braga, na Praça da República. Na sua intervenção, o candidato salientou que esta inauguração é apenas “mais um ponto de partida, um acelerar do processo de campanha que já se faz adivinhar e que nos levará até ao próximo dia 1 de outubro”.

Para o candidato, esta sede era já um desejo antigo. “É um espaço que queremos que seja de contacto permanente com os bracarenses, pois essa será a lógica desta sede de campanha, pois está localizada bem no centro da cidade onde se nota de forma muito vincada muito do trabalho executado pelo Executivo Municipal ao longo destes 4 anos. Queremos fazer chegar aos bracarenses as nossas propostas e ideias e auscultar os bracarenses, que terão nesta sede espaço pare deixar as suas propostas”, afirmou Ricardo Rio.

No entanto, o Partido Socialista veio alertar para o facto de “não estarem reunidas as condições mínimas de segurança e do risco de derrocada da nova sede ser uma possibilidade iminente”.

De acordo com o PS, este alerta baseia-se num auto de vistoria elaborado em 2011 pelos Serviços Técnicos Municipais, que obrigava a uma intervenção de restauro para prevenir a segurança de pessoas e bens. “Não houve qualquer indício de terem sido efetuadas as obras necessárias para prevenir essa eventualidade, o que pode colocar em causa a integridade de todos quantos façam uso dessas instalações. Embora os proprietários tenham sido notificados pelos serviços, em dezembro de 2011, para procederem à consolidação da fachada principal no prazo de 45 dias, não se vislumbrou qualquer tipo de intervenção durante todo este tempo, apesar de ter desencadeado uma ação de despejo, com base nesses pressupostos, decretada pelo tribunal aos inquilinos do rés-do-chão do nº 1 da Praça da República, uma das principais artérias da cidade dos arcebispos”, ressalva o PS.

Segundo o PS, a ordem de despejo resultou de um processo levado a cabo pelos proprietários do edifício em causa, em 2014, tendo como base o parecer vinculativo dos Serviços Técnicos da Câmara Municipal de Braga, cujo auto de vistoria apontava para a “necessidade de uma intervenção urgente”, dado tratar-se da uma construção muito antiga e encontrar-se em mau estado de conservação, existindo o risco de ruína de partes do pavimento em madeira dos compartimentos voltados para a Praça da República. O mesmo auto menciona também “a existência de uma fenda vertical de dimensões consideráveis entre a fachada principal e os pavimentos dos andares deste edifício na zona voltada para a Arcada, contribuindo para a deterioração das ligações entre os pavimentos e a fachada principal”.