Sábado, Abril 13, 2024
18.4 C
Braga
AtualidadePolíticaLivre defende aumento do salário mínimo para 1150 euros até 2028

Livre defende aumento do salário mínimo para 1150 euros até 2028

© LIVRE

Teresa Mota, cabeça de lista pelo partido LIVRE ao círculo eleitoral de Braga, juntamente com outros candidatos pertencentes à lista, reuniu com diversos membros da Associação Empresarial do Minho, na pessoa do presidente Ricardo Costa.

Este encontro teve como objetivo “conhecer os principais desafios que se colocam às pequenas e médias empresas que constituem mais de noventa por cento do contexto empresarial da região minhota”. O partido lembra que “as áreas de atividade destas empresas são muito variadas e fazem parte de três dos concelhos que mais exportam em Portugal, nomeadamente Famalicão, Braga e Guimarães”.

Os candidatos do LIVRE ficaram a conhecer a atividade da AEMinho no que respeita à promoção, dinamização e defesa das empresas, salientando-se “o estabelecimento de parcerias e a criação de redes que permitam criar escala e potenciar a oferta de bens e serviços”.

“A AEMinho elencou algumas questãos mais relevantes que considera obstacularizarem o necessário desenvolvimento do tecido empresarial do distrito, como a falta de escala, a necessidade de qualificar as lideranças das empresas e melhorar práticas de gestão. Apresentou ainda algumas propostas que, na sua óptica, poderão ajudar a ultrapassar as dificuldades sentidas pelas empresas, como a simplificação da fiscalidade, a diminuição da carga fiscal sobre os salários, a necessidade de pensar o problema da habitação e da mobilidade em conjunto com a oferta de trabalho e empregos disponíveis na região, uma melhor articulação entre as diversas Comunidades Intermunicipais da região e o papel do Estado enquanto regulador e propiciador da atividade privada, assim como do papel das autarquias no incentivo às pequenas e médias empresas”, explicou o LIVRE.

Teresa Mota apresentou as principais medidas do programa eleitoral ligadas ao modelo económico defendido pelo partido e que se “baseia numa economia mista em que Estado, setor cooperativo e social e pequenas e médias empresas contribuem em conjunto para que a sociedade portuguesa seja mais justa tanto do ponto de vista social como ambiental”. Neste contexto, defendeu “a necessidade de haver mais incentivos legais à criação de cooperativas e o seu apoio efetivo por parte do Banco de Fomento Público, a presença de trabalhadores nos órgãos de administração das empresas e a possibilidade de empresas autogeridas, de modo a que se faça um caminho para uma maior democracia no trabalho”. “Só assim será possível atingir o valor do salário mínimo de 1150 euros até 2028 proposto pelo LIVRE e o aumento do valor do salário médio. É necessário estabelecer novas convenções de trabalho e a extensão do projeto-piloto da semana de quatro dias a mais empresas e setores públicos e âmbitos de atividade, dado os resultados positivos já obtidos na presente fase de experimentação”, acrescenta a candidata.

A regionalização defendida pelo LIVRE como sendo “crucial para o desenvolvimento justo e sustentável do país” foi, segundo o partido, “favoravelmente acolhida pela AEMinho”.

Teresa Mota considera que “as cooperativas e pequenas e médias empresas são fundamentais na produção e consumo de bens e/ou serviços sustentáveis produzidos a nível local e regional, na promoção do comércio local em detrimento da aposta em grandes superfícies comerciais e permitem mais facilmente o estabelecimento de cadeias de consumo curtas, o que fomenta a dinâmica económica das regiões”.

“O novo modelo de desenvolvimento preconizado pelo LIVRE assenta assim numa economia de cooperação e solidariedade, que promove o conhecimento, a inovação, a sustentabilidade ambiental e a coesão territorial ao mesmo tempo que se compromete com a justiça salarial e a gestão democrática das empresas”, finalizou.

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES