Investigador da UMinho explica como os microempresários podem singrar
Quinta-feira , Outubro 22 2020 Periodicidade Diária nº 2612
Principal / Educação / Investigador da UMinho explica como os microempresários podem singrar

Investigador da UMinho explica como os microempresários podem singrar

Um microempresário de sucesso em Portugal precisa de experiência, de apoio familiar, de clientes regulares e de ter consciência da qualidade dos seus produtos e serviços. A conclusão é de Paulo Reis Mourão, professor da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, num estudo publicado na revista “Applied Economics”. Por outro lado, o autor frisa que custos fixos altos, má localização e períodos de crise económica reduzem significativamente a duração do negócio.

As microempresas e PME suportadas por microcrédito tendem a ter altas taxas de morte e de nascimento em Portugal e no mundo. Porém, há exemplos de sucesso – o microcrédito criou oportunidades de negócio e empreendedorismo com impacto económico-social. Paulo Reis Mourão decidiu explorar o que leva um microempresário em Portugal ao êxito. “Há perfis pessoais relevantes num microprojeto – como ter experiência, confiança na sua oferta e boa rede de apoio e de clientes -, que não tinham sido ainda bem analisados pela ciência. Mas importa aliar outros fatores, como custos fiscais e de localização, que podem influenciar o resultado”, refere.

Empreendedores locais podem ter taxas de sobrevivência diferentes, porque uns olham-nos como fonte de valor, de preservação cultural e de estímulo de inovação, mas outros olham-nos como um parente pobre, afirma. Entre os casos de excelência estão centros de negócios como o Brigantia EcoPark, em Bragança: “Crescem em valor, em emprego gerado e em contratos celebrados, fazendo de microempreendedores e de microempresas iniciativas que atraem do melhor para o interior do país e não só”, elucida o também investigador do Núcleo de Investigação em Políticas Económicas e Empresariais (NIPE) da UMinho.

O seu estudo, intitulado “On the different survival rates of Portuguese microbusinesses – the case of projects supported by microcredit”, propõe que os microempresários possam receber know-how de gestão e finanças, para mais facilmente lidarem com burocracias e controlarem custos e impostos. Defende ainda que possam treinar ferramentas, recursos e redes digitais, para alargarem o volume de clientes imediatos e potenciais. Sugere-se também a consolidação de uma rede de microempreendedores, para partilharem experiências, dificuldades e soluções.

Reis Mourão desafia igualmente a Associação Nacional de Direito ao Crédito, que promove o microcrédito em Portugal, a lançar um estudo amplo sobre os microempreendedores do país. “Após o atual cenário único da pandemia, e fazendo fé na história económica, momentos de oportunidades surgirão e, com eles, o microcrédito e outras iniciativas poderão ser devidamente alavancadores”, remata.