Hospital de Braga: 25 anos a cuidar em Cuidados Intensivos
Quarta-feira , Outubro 21 2020 Periodicidade Diária nº 2611
Principal / Notícias / Hospital de Braga: 25 anos a cuidar em Cuidados Intensivos

Hospital de Braga: 25 anos a cuidar em Cuidados Intensivos

A Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente (UCIP) do Hospital de Braga celebrou, esta quarta-feira, 25 anos de existência através de um conjunto de iniciativas. O simpósio “25 anos a cuidar em Cuidados Intensivos” foi o ponto central deste programa que reuniu figuras de renome da área da Medicina Intensiva que abordaram temas fulcrais da área dos Cuidados Intensivos.

Neste dia foi também recriada, com recurso a equipamentos e materiais, uma Unidade de Cuidados Intensivos na Entrada Principal e decorreu, na Unidade, um lanche convívio entre utentes, familiares e profissionais de saúde.

Uma homenagem a todos os profissionais que exercem e exerceram funções nesta Unidade e a partilha de algumas histórias da fundação da mesma marcaram a sessão de abertura do simpósio. Neste evento, que reuniu cerca de 100 participantes, foram também discutidos temas como controvérsias na triagem clínica de admissão em Cuidados Intensivos bem como o futuro da Medicina Intensiva.

Os profissionais desta Unidade recriaram, ainda, uma Unidade de Cuidados Intensivos na Entrada Principal do Hospital de Braga, de forma a elucidar a população sobre o trabalho desenvolvido diariamente no tratamento do doente crítico.

Este evento comemorativo teve como objetivo “desmistificar a ideia de que os cuidados intensivos são assustadores e, deste modo, revelar o seu lado mais humano”, tal como afirma Luís Lencastre, diretor de Serviço da UCIP do Hospital de Braga.

Por sua vez, Isabel Souto Silva, Enfermeira Chefe desta Unidade, destaca a necessidade de se cuidar do doente crítico e da sua família. “É necessário ter a família cada vez mais próxima do utente e promover uma relação de união e parceria entre os três grupos fundamentais no restabelecimento da nova vida do utente, que são os profissionais de saúde, utentes e família”, salienta.