Estudo da Universidade do Minho aborda desequilíbrios da valorização florestal em Portugal
Sexta-feira , Setembro 18 2020 Periodicidade Diária nº 2578
Principal / Educação / Estudo da Universidade do Minho aborda desequilíbrios da valorização florestal em Portugal

Estudo da Universidade do Minho aborda desequilíbrios da valorização florestal em Portugal

Carvalho de Calvos na Póvoa de Lanhoso

O maior volume de árvores de interesse público do país situa-se em Lisboa e não em regiões com maior densidade e diversidade florestal. Este desequilíbrio geográfico pode dever-se a questões culturais, económicas ou de viés dos técnicos florestais, segundo uma investigação de Paulo Reis Mourão, professor da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho. O trabalho foi agora publicado na revista científica “Environment, Development and Sustainability”, em coautoria com Vítor Martinho, do Instituto Politécnico de Viseu.

O quadro legal recente em Portugal permite a promotores públicos e privados, nomeadamente os municípios, identificar e classificar oficialmente árvores ou grupos de árvores excecionais como “de interesse público”, em articulação com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). Esta iniciativa tem ocorrido sobretudo em municípios que são antigos, costeiros, capitais de distrito e têm boa dinâmica turística; já as zonas com muita densidade populacional e florestal ou com um polo do ICNF garantem pelo menos uma referência nessa lista, refere o estudo. O distrito de Lisboa soma um terço dos quase quatrocentos registos da lista.

“Isto significa que pode haver (grupos de) árvores que preenchem os critérios, mas ainda não foram classificadas. Sugere-se, por isso, um estímulo especial sobre o potencial arbóreo de zonas menos densas e que os municípios jovens e interiores atentem mais aos seus recursos naturais”, nota Paulo Reis Mourão. “Diversos territórios naturais de Portugal estão algo ausentes deste inventário, ou seja, pode perder-se oportunidades de valorização de património público e privado de elevadíssimo valor ecológico, paisagístico, histórico e religioso, bem como o envolvimento da sociedade na sua divulgação, inventariação e proteção”, realça o também membro do Núcleo de Investigação em Ciências Políticas e Empresariais da UMinho. O estudo propõe ainda a análise comparativa entre tipos de arvoredo, a ampliação da amostra a países europeus com legislação idêntica e a identificação de determinantes internacionais de categorização.

Monumentos vivos

A classificação “arvoredo de interesse público” – como bosques, arboretos, alamedas, jardins ou exemplares isolados – confere um estatuto similar de monumento nacional e com proteção legal, como uma distância de 50 metros ao seu redor. Os critérios de seleção do arvoredo abrangem o seu porte, idade, raridade e simbolismo. Entre os “monumentos vivos” de Portugal estão, por exemplo, o Carvalho de Calvos (Póvoa de Lanhoso), a Oliveira de Pedras d’el Rei (Tavira), a Alameda de Freixos (Marvão), o Maciço de Rododentros (Vouzela) e a Oliveira do Mouchão (Abrantes).

O mais pequeno contributo pode ter um grande impacto. O apoio dos nossos leitores é fundamental para garantir que a Braga TV continue a ser um canal de informação de referência na região. Apoie aqui.