Quarta-feira, Agosto 10, 2022
20.3 C
Braga
InícioAtualidadeEstudo conclui que algumas regiões da Europa não sentiram efeitos da Peste...

Estudo conclui que algumas regiões da Europa não sentiram efeitos da Peste Negra

DR

Uma equipa internacional, que inclui Carla Sá Ferreira, formada pela Universidade do Minho, concluiu que a Peste Negra não teve um impacto devastador em toda a Europa do século XIV, pois houve regiões em que mal teve repercussão. O estudo saiu esta quinta-feira na revista “Nature Ecology & Evolution” e analisou, em amostras de pólen de 261 locais em 19 países, como as paisagens e a atividade agrícola mudaram um século antes e após aquela pandemia.

A Peste Negra assolou a Europa, Ásia Ocidental e Norte da África de 1347 a 1352, sendo a pandemia mais arrasadora da História, com 75 a 200 milhões de mortes estimadas, e contribuindo para várias transformações sociopolíticas e culturais, como o Renascimento. Através de análises ao ADN, fora identificada a Yersinia pestis como agente causador da peste, mas os impactos demográficos da doença estavam pouco explorados.

“O novo estudo mostra que esses impactos variaram substancialmente de região para região e que é preciso abordagens interdisciplinares para entender as pandemias passadas e presentes”, explica a paleoecóloga Carla Sá Ferreira, um dos 61 autores do trabalho, liderado pelo Instituto Max Planck (Alemanha).

A pesquisa contou também com dados polínicos de Portugal, recolhidos na serra da Cabreira (Vieira do Minho) e no vale do rio Terva (Boticas), com o apoio da Unidade de Arqueologia da UMinho. “Os dados sugerem que a Peste Negra nesta área teve um impacto contido face a outras regiões do centro europeu”, frisa. “Ou seja, os indicadores de cultivo contraíram ligeiramente no século XIV, o que pode refletir alguma mortalidade pela peste, mas também a realidade político-social portuguesa, como a crise dinástica de 1383-85 e as guerras com Castela”, diz a licenciada em História – Arqueologia pela UMinho e doutorada pela Queen’s University Belfast (Reino Unido).

Os dados recolhidos em Espanha coincidiram com os de Portugal, logo a zona ibérica terá sido dos territórios em que a Peste Negra teve menos efeitos, a par das ilhas britânicas e do noroeste europeu. Já na Escandinávia, França, Grécia, Alemanha meridional e Itália central, a atividade agrícola diminuiu bastante naquele período, coincidindo aí com as elevadas taxas de mortalidade registadas em fontes medievais.

Não há um modelo único da pandemia

Esta investigação usa a nova ferramenta Big-data paleoecology, baseada na palinologia, que estuda esporos e pólen de plantas fósseis. Em concreto, a equipa avaliou 1634 amostras de pólen no subsolo para ver as plantas presentes e com que abundância, apurando assim se as atividades agrícolas locais continuaram ou pararam naquela fase ou se houve renovação do coberto vegetal com a redução da agricultura. Mais: analisou-se áreas rurais, quando até aqui se utilizava sobretudo fontes de áreas urbanas, mas mais de 75% da população europeia de então era rural.

Os cientistas concluíram que o contexto sociocultural, demográfico, económico e ambiental influenciou a prevalência, morbidade e mortalidade de Y. pestis em cada região. Isto é, não há um modelo único aplicável a todos os locais por onde aquela peste passou. “As pandemias são fenómenos dinâmicos complexos que têm histórias regionais – vimos isso com a Covid-19 e agora demonstramos para a Peste Negra”, devolve Carla Sá Ferreira.

No futuro, pretende-se aplicar os dados paleoecológicos para entender como as várias variáveis interagem para moldar as pandemias do passado – e do presente. A investigadora, que nasceu há 42 anos em Vieira do Minho e colabora com a Universidade de Maynooth (Irlanda), tem tido também projetos com a Historic Environmental Scotland e a Universidade de Stirling (Escócia).

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS