Braga para Todos quer drones e robô a fiscalizar rio Este após nova descarga ilegal
Domingo , Novembro 29 2020 Periodicidade Diária nº 2650
Principal / Braga / Braga para Todos quer drones e robô a fiscalizar rio Este após nova descarga ilegal

Braga para Todos quer drones e robô a fiscalizar rio Este após nova descarga ilegal

O “Braga para Todos” denunciou uma nova descarga ilegal no rio Este, que decorreu pelas 18h00 desta sexta-feira, na freguesia de Ferreiros.

Face às sucessivas descargas no rio Esta, o movimento cívico apela à Câmara Municipal de Braga que “tome medidas  sérias referentes a este crime ambiental”. O movimento quer, à semelhança do que acontece no rio Vizela, que a Autarquia coloque drones, para vigiar as descargas ilegais, e um robô, para punir os atos criminosos.

“O rio Vizela tem um robô que identifica, através do recurso a câmaras, a origem das descargas ilegais e, desse modo, consegue alertar e punir os infratores. Em Vizela, as autoridades competentes conseguiram identificar 27 infratores. Em Braga, mesmo que não evitasse todas as descargas, pelo menos iria conseguir detetar algumas delas”, explica o movimento cívico.

De acordo com o Braga para Todos, “as descargas ilegais no rio Este acontecem há anos e, nos últimos seis anos, a Câmara Municipal não tomou nenhuma medida. O SEPNA regista apenas as queixas, mas a verdade é que o crime persiste e mata a vida existente no rio. Neste sentido apelamos que exista algo palpável no terreno que, mesmo que não resolva na totalidade o problema, pode ajudar. Nesta fase, com a persistência das descargas ilegais, é o mínimo que a Autarquia pode fazer e replicar o que está a funcionar no rio Vizela parece-nos um bom princípio”, indica.

Além do Braga para Todos, também outros ativistas têm denunciado estes atos criminosos. “Faz- nos confusão que a Câmara de Braga não faça nada. Todos sabemos que após a descarga é difícil detetar a sua origem. Por isso, queremos medidas e essas devem ser tomadas pela Autarquia. Não chega limpar o rio duas vezes por ano e fazer fotos”, realçou.

O movimento defende que o Município use durante o dia drones nas áreas mais comuns das descargas, mas também que sejam mais frequentes as inspeções às condutas através de imagens captadas por um robô, a par de análises à água.