Bloco de Esquerda reclama falta de intervenção na Praia Fluvial do Cavadinho
Terça-feira , Agosto 4 2020 Periodicidade Diária nº 2533
Principal / Freguesias / Bloco de Esquerda reclama falta de intervenção na Praia Fluvial do Cavadinho

Bloco de Esquerda reclama falta de intervenção na Praia Fluvial do Cavadinho

O Bloco de Esquerda considera que o Executivo Municipal tem de explicar aos bracarenses “porque razão a Praia Fluvial do Cavadinho, localizada na União de Freguesias de Crespos e Pousada, não foi objeto da intervenção planeada, mantendo-se praticamente sem infraestruturas e com acessos inadequados”.

Numa visita ao local, vários candidatos do Bloco de Esquerda à Câmara e Assembleia Municipal de Braga, confirmaram que, “apesar de constar no site do Município, a praia está num local de difícil acesso, sem sinalização, existindo apenas um espaço terraplanado, que serve de estacionamento, e uma zona para merendas”, afirmou João Rodrigues.

Os candidatos confirmaram também que no local existe um painel, datado de 2011, onde se anuncia uma intervenção na margem e do rio, intervenção que não foi feita, nem pela anterior maioria socialista, nem pela atual maioria, estando o local votado ao mais “completo abandono”, apesar de ser frequentado regularmente por banhistas.

João Rodrigues considera que “sendo visível que as correntes do rio naquele local têm uma força considerável, o banho ou qualquer outra atividade aquática pode constituir um perigo, mas essa informação não consta, havendo apenas indicação de que se trata de uma zona não vigiada”.

Os candidatos consideram que há zonas fluviais que merecem uma intervenção para serem usufruídas de forma segura e com condições adequadas, e que podiam constituir uma alternativa às praias de Adaúfe e de Merelim S. Paio, mas que não avançaram, embora constem no site da autarquia como zonas balneares.

João Rodrigues recorda que apesar da atual maioria reconhecer a importância da aproximação de Braga ao Rio Cávado e de ter sido “prometida” uma ecovia na margem do rio, “muito ficou por fazer nestes quatro anos”.