Sexta-feira, Fevereiro 26, 2021
8.8 C
Braga
Início Região Associações de Braga temem impacto do confinamento nas empresas

Associações de Braga temem impacto do confinamento nas empresas

Fernando Araújo

As  associações  empresariais  do  distrito  de  Braga manifestaram a sua preocupação com o impacto do novo confinamento na sustentabilidade das empresas do comércio, serviços e restauração.

A Associação  Comercial  de  Braga,  a Associação Comercial  e  Industrial  de  Barcelos, a Associação  Comercial  e  Industrial  de  Esposende, a Associação Comercial  e  Industrial  de Famalicão, a Associação  Comercial  e  Industrial  de  Vizela, a Associação Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto uniram-se para darem nota ao Governo das suas reivindicações.

Em comunicado, as associações explicaram que temem por um aumento de encerramentos de estabelecimentos e de empresas, pondo também em risco a perda de inúmeros postos de trabalho e o agravamento da crise econímica e social. Cientes da importância do combate à pandemia, consideram que “o Governo devia excluir um confinamento o comércio de proximidade”, explicando que “este não está sujeito a uma grande pressão de procura por parte dos consumidores”.

As direções consideram que os apoios anunciados pelo Governo são “insuficientes”, reiterando a “necessidade dos apoios chegarem às empresas com maior velocidade, sob pena de se perderem milhares de empresas e postos de trabalho”. Defendem que seja aplicado o layoff simplificado comparticipado a 100% pela Segurança Social para as empresas, a adoção de um regime especial de apoio às rendas de janeiro e fevereiro, que assegure a comparticipação integral do valor das rendas dos estabelecimentos e a concretização de um programa de promoção da retoma das atividades económicas mais afetadas pelo recente confinamento.

As associações empresariais subscritoras desta posição manifestaram a expectativa de verem atendidas as suas reivindicações, que consideram “fundamentais para proteger o emprego e a sustentabilidade das empresas”.

As mesmas ainda aos portugueses para que cumpram escrupulosamente as regras deste confinamento, “para que se reduza, com o almejado sucesso, o número de infeções, respeitando, deste modo, os enormes sacrifícios a que estão a ser sujeitas as empresas portuguesas, assim como o extraordinário esforço e dedicação de todos os profissionais de saúde no combate à pandemia”.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS