Antiga escola Francisco Sanches vai ser transformada em equipamento de referência para a cultura
Quinta-feira , Setembro 24 2020 Periodicidade Diária nº 2584
Principal / Cultura / Antiga escola Francisco Sanches vai ser transformada em equipamento de referência para a cultura

Antiga escola Francisco Sanches vai ser transformada em equipamento de referência para a cultura

O Município de Braga vai avançar com criação de um centro cívico de matriz cultural na antiga escola Francisco Sanches. O projeto de requalificação do edifício, apresentado esta quarta-feira, vai transformar aquele espaço num equipamento de referência alinhado com a estratégia cultural da cidade para 2030 e com a candidatura a Capital Europeia da Cultural em 2027.

Para Ricardo Rio, este equipamento “será uma grande-mais valia para a dinâmica cultural da Cidade”. “A antiga escola Francisco Sanches será, a muito curto prazo, um espaço de grande vitalidade cultural e que irá complementar outras valências existentes no concelho”, referiu o edil, salientando que no total, o projeto deverá rondar os 4.5 milhões de euros.

A reabilitação será realizada de forma faseada, começando pela intervenção no rés-do-chão do edifício onde ficará instalado o Arquivo Municipal, incluindo o arquivo histórico, e serão criadas salas de consulta e uma biblioteca, uma zona de tratamento e higienização de documentos.

O concurso público para a realização da primeira fase deverá ser lançado até setembro, sendo que as obras poderão avançar ainda este ano. “O projeto pretende maximizar o enorme potencial deste edifício, que conta com uma área global de 6.415 m2, e aproveitar a sua centralidade. O edifício fica situado no coração da freguesia de S. Victor e estabelece a ligação entre o centro histórico e a Universidade do Minho”, lembrou a vereadora Olga Pereira.

A primeira fase, que inclui a cobertura do edifício, substituição de caixilharias e instalação do Arquivo Municipal, está orçada em cerca de um milhão e 500 mil euros. Segundo Olga Pereira, o Município irá aproveitar todas as oportunidades de financiamento que possam surgir em overbooking ou mesmo no âmbito do novo quadro comunitário de apoio. “Vamos permitir que o público se vá apropriando progressivamente da utilização do edifício, colocando à disposição as zonas que forem ficando disponíveis. Vamos também garantir a continuidade da utilização de algumas das estruturas que já se encontram sediadas aqui e incorporar novas dinâmicas que possam resultar o debate em torno da estratégia cultural 2030”, acrescentou Olga Pereira.

Já para a vereadora da Cultura, Lídia Dias, este projeto representa “um passo concreto na definição de uma política cultural para a cidade, que pretende transformar Braga numa cidade ainda mais vibrante e cosmopolita, capaz de responder aos desafios actuais do mundo global”.

“A antiga escola Francisco Sanches, um ícone da cidade, será um espaço dedicado à criação artística multidisciplinar. Os espaços da capela e do ginásio serão dotados de todas as condições necessárias para a realização de concertos, ensaios, showcases e outros eventos”, acrescentou Lídia Dias. O edifício terá ainda espaços para residências artísticas, de acolhimento de artistas emergentes e irá ainda albergar a Galeria do Eixo Atlântico.