Sexta-feira, Janeiro 27, 2023
11.1 C
Braga
InícioRegiãoCelorico de BastoAlunos de Celorico de Basto participam em Bootcamp de Empreendedorismo

Alunos de Celorico de Basto participam em Bootcamp de Empreendedorismo

© CM Celorico de Basto

O CLDS 4G Celorico+Social, a Câmara Municipal e o Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto articularam-se para, com a colaboração da Associação Empresarial de Amarante e o projeto “Jovens Empreendedores”, facultar um bootcamp sobre empreendedorismo aos alunos do 11º ano deste agrupamento.

De acordo com a autarquia, esta ação é uma das muitas atividades que vão decorrer até ao concurso de Empreendedorismo, ainda por agendar. Anteriormente decorreram workshops de autoconhecimento para todos os alunos do 11º ano.

A iniciativa contou com a presença de vários empresários do tecido económico do concelho de Celorico de Basto, que apresentaram aos alunos a sua experiência no mundo do empreendedorismo, numa “perspetiva pessoal com os sucessos e fracassos inerentes a cada experiência”.

A ministrar o bootcamp esteve Ana Oliveira, responsável pelo projeto “Jovens Empreendedores” da Associação Empresarial de Amarante. “O bootcamp é uma atividade intensiva de 12 horas onde os alunos, em equipa, constroem ideias de negócio, utilizando a metodologia do design thinking desde a apresentação da ideia até à apresentação a um júri”, disse a responsável.

“Mais uma janela de oportunidades” como disse, por sua vez, Elisabete Coelho, coordenadora do CLDS 4G Celorico+Social. “O que se pretende nesta ação é fomentar as capacidades empreendedoras nos jovens, com enfoque nas capacidades inatas de cada um. Pretende-se, efetivamente, que as competências adquiridas nesta ação se repercutam no futuro, quer na vida profissional, quer pessoal, na tentativa de os tornar mais autónomos, criativos, audazes, mas sobretudo orientados e com foco, competências que os irão ajudar a procurar as informações que desejam, orientar-se para determinados cursos de acordo com as suas ambições e aptidões, a perceber melhor o mercado de trabalho, a estar mais preparados para enfrentar as adversidades. Aprimorar competências é abrir-lhes uma nova janela de oportunidades”, sustentou Elisabete Coelho.

A participação do Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto neste tipo de iniciativas acontece pela primeira vez mas, e segundo a representante do Agrupamento, Adelaide Novais, “é um projeto diferente que aborda a educação de forma informal e mais vocacionada para o mercado de trabalho. Os alunos são convidados a entrar na comunidade e a comunidade vem à escola com a presença de quatro testemunhos de quatro empresários de diferentes áreas, com diferentes experiências profissionais. Um projeto que ajuda os alunos a desenvolver ideias de negócio, de empreendedorismo e desenvolve as competências transversais de todas as disciplinas”.

“Permite o desenvolvimento das competências inatas de cada aluno. Vimos os alunos a falar em público com à vontade, fizeram protótipos de negócios, com principio meio e fim, a ideia muito bem estruturada, o que, e apesar desta iniciativa ser curta, mostrou ser uma iniciativa muito produtiva para os nossos alunos”, explicou ainda Adelaide Novais.

As ideias de negócio foram apresentadas pelos alunos ao júri constituído por um elemento da escola, um elemento do CLDS 4G Celorico+Social e um elemento da autarquia, “numa lógica de aproximação entre a escola e o trabalho”, frisou Ana Oliveira.

Para Maria José Marinho, vereadora da Educação do Município de Celorico de Basto, “a educação é uma área muito abrangente onde o foco versa na transmissão de conhecimentos e habilidades fundamentais para a vivência em comunidade. Uma comunidade que deve estar cada vez mais presente neste processo educativo, e contribuir para a criação dos profissionais de amanhã. Conhecer as histórias de vida, os projetos, os riscos, o caminho de muitos empreendedores da nossa comunidade é ter uma noção mais clara de que depois do ensino obrigatório ou da faculdade há uma oportunidade para os que querem arriscar mas é preciso estar preparado para esse mesmo risco e entender que o sucesso não chega sempre na primeira ideia, no primeiro negócio, e que existe sempre a hipótese de recomeçar”.

Os alunos absorveram os ensinamentos que lhes foram transmitidos e apresentaram ideias de negócio arrojadas, audazes e criativas. Cristiano Mota, aluno presente no bootcamp, falou que a iniciativa foi interessante mas curta. “Deveria ser mais tempo para podermos maturar as nossas ideias com outro empenho. Contudo, foi muito interessante, apresentamos como ideia a criação de um tradutor para cães, um mecanismo que iria traduzir a linguagem dos cães para a nossa linguagem para facultar o seu entendimento”, afirmou o aluno.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS

MAIS LIDAS