Segunda-feira, Junho 17, 2024
16.7 C
Braga
AtualidadeAEMinho propõe redução dos escalões do IRS para aumentar a produtividade

AEMinho propõe redução dos escalões do IRS para aumentar a produtividade

A Associação Empresarial do Minho desafiou o Governo a ser “mais ambicioso”.

Ramiro Brito © AEMinho

A Associação Empresarial do Minho (AEMinho) desafiou o Governo para “ser mais ambicioso” na redução dos impostos sobre o trabalho para “aumento da produtividade”.

A AEMinho diz ter consciência “da urgência congregada da redução dos impostos sobre o trabalho, por um lado, assim como o aumento da produtividade, pelo outro”, portanto formulou uma proposta para “dar resposta conjugada a ambos os objetivos”, propondo “além do mês de prémio não tributado a entregar aos trabalhadores (inscrito no programa de governo), que sejam adicionados mais dois meses não tributados, desde que a empresa apresente resultados operacionais positivos”.

“Com esta medida reforça-se o compromisso conjunto da comunidade empresarial em ter o foco direcionado para a produtividade e eficiência, com benefícios evidentes para os trabalhadores e para as empresas”, refere a AEMinho, onde pode “a empresa efetuar os descontos normais dos prémios atribuídos aos trabalhadores”, propondoa revisão dos escalões de IRS com “incidência na classe média”.

A associação sugere a redução dos atuais nove escalões para seis, com a seguinte ambição, “primeiro escalão: até cinco mil euros, isento de IRS; segundo escalão: de cinco mil até 10 mil euros, com uma taxa de 10%; terceiro escalão: de 10 mil até 15 mil euros, com uma taxa de 15%; quarto escalão: de 15 mil até 40 mil euros, com uma taxa inicial de 25%, visando reduzir para 20%; quinto escalão: de 40 mil até 65 mil euros, com uma taxa de 35%, visando reduzir para 30%; sexto escalão: acima de 65 mil euros, com uma taxa de 40%, visando reduzir para 35%”.

“Temos consciência de que este alívio fiscal terá de ser acompanhado de uma maior eficiência na utilização dos recursos do Estado, reduzindo à despesa pública e sem prejudicar o investimento”, finaliza a AEMinho.

PARTILHE A NOTÍCIA

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

NEWSLETTER

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAGEM

POPULARES